Rádio Observador

Sporting

A homenagem a Luís Boa Morte que acabou por não acontecer no intervalo do Sporting-Arsenal

463

Luís Boa Morte, extremo formado em Alvalade que se transferiu em 1995 para o Arsenal sem ter jogado nos seniores do Sporting, ia ser homenageado ao intervalo mas momento acabou por não ser realizado.

Luís Boa Morte, aqui num jogo com o Manchester United de Roy Keane e Phil Neville, foi campeão pelo Arsenal

Getty Images

Frederico Varandas não tem propriamente primado pelas muitas intervenções públicas desde que tomou posse como presidente do Sporting, a 9 de setembro, mas tenta ir “arrumando a casa” com o passar das semanas ao mesmo tempo que se retomam práticas que se tornaram hábitos no passado recente. Uma delas passa pela homenagem a antigas figuras do clube. No caso de Chana, por exemplo, a ação teve um enorme impacto no universo verde e branco com a recordação daquele que foi dos melhores jogadores de sempre de hóquei em patins antes do dérbi com o Benfica que abriu o Campeonato; com Luís Boa Morte, a história foi outra. E esse momento que se deveria realizar no intervalo do jogo com o Arsenal não aconteceu.

Nascido em Lisboa, o extremo esquerdo começou no Arrentela, passou pelos leões, foi dispensado, deu nas vistas ao serviço do Cova da Piedade e regressou a Alvalade a tempo de ser ainda campeão de juniores. Na altura, e quando não existiam ainda as equipas B, Boa Morte passou para o clube satélite verde e branco, o Lourinhanense, e caiu no goto do Arsenal que, através de algumas observações ao vivo entre vários conselhos favoráveis, apresentou uma proposta a rondar os dois milhões de euros e levou mesmo o internacional pelas camadas jovens. Campeão nos gunners de Wenger, o ala passaria depois por Southampton, Fulham (onde ganhou a Segunda Liga) e West Ham, antes de deixar Inglaterra e passar por clubes como os gregos do Larissa ou os sul-africanos do Orlando Pirates. Em 2013, acabou a carreira no Chesterfield.

Luís Boa Morte com Ronaldo e Figo, na preparação para o Campeonato do Mundo de 2006 (FRANCISCO LEONG/AFP/Getty Images)

Como treinador, e depois da passagem pelos Sub-16, o antigo internacional português foi adjunto da equipa B do Sporting e técnico principal dos juniores verde e brancos. Quando saiu, ficou como observador do Arsenal, assumiu o comando do Sintrense e encontra-se agora, aos 41 anos, nos Sub-23 do Portimonense. Aproveitando a presença dos britânicos em Alvalade, e tendo em conta que é um dos raríssimos jogadores a atuar nos dois conjuntos (outro é o guarda-redes Viviano, que não foi utilizado em Londres e não se estreou ainda pelos leões), deveria ser homenageado. Não foi.

A decisão estava longe de ser unânime, como se percebia em alguns comentários que iam surgindo nas redes sociais. Em paralelo, começaram a circular notícias que davam conta da possibilidade de haver cancelamento e o jornal Sol avançou com a informação, citando fonte da claque Juventude Leonina, de que poderiam existir assobios caso o ato viesse a acontecer. O facto do filho do antigo extremo jogar nos benjamins Benfica era uma das razões invocadas, mas haveria outras como as afirmações menos “simpáticas” que tivera com elementos da estrutura verde e branca e elogiosas com o rival. Do lado do Sporting, não houve qualquer informação oficial a anunciar a homenagem, que acabou mesmo por não se realizar esta noite.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)