Organização Mundial de Saúde

OMS defende padronização internacional dos termos da medicina tradicional chinesa

436

Especialistas da Organização Mundial da Saúde defendem a padronização internacional dos termos da medicina tradicional chinesa como caminho para garantir os mercados globais.

MARK/EPA

Especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) defendem a padronização internacional dos termos da medicina tradicional chinesa como caminho para garantir os mercados globais, um negócio que valeu a Pequim 3.070 milhões de euros em exportações em 2017.

A padronização internacional dos termos desta medicina “é muito importante para promover a sua internacionalização” sendo esta a base para “integrar a medicina tradicional chinesa no sistema de serviços de saúde”, afirmou o diretor do Centro de Cooperação de Medicina tradicional da OMS, Choi Peng Cheong, durante uma reunião em Macau de especialistas em termos técnicos no âmbito de medicina tradicional da OMS, citado esta quinta-feira em comunicado pelas autoridades do território.

Além da OMS, estão reunidos neste evento, que termina na sexta-feira, especialistas e académicos do interior China, Hong Kong, Macau, Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Alemanha, Suíça, África do Sul, Austrália, Singapura e Tailândia, de acordo com a mesma nota.

“A padronização é fraca a nível internacional”, apontou Choi Peng Cheong.

Os especialistas e académicos estão a discutir “mais de 4.000 termos e definições internacionais padronizadas no âmbito de medicina tradicional chinesa”, sublinhou o chefe substituto do Serviço de Medicina Tradicional Complementar do Departamento de Funcionamento e Segurança dos Serviços de Saúde da OMS, Liu Wei.

A promoção da padronização internacional dos termos desta medicina tem de ser promovida de forma a permitir o crescimento da “produção, elaboração e disseminação” da medicina tradicional chinesa, sublinhou.

As exportações de artigos de medicina tradicional chinesa subiram em 2017 para as 358 mil toneladas, de acordo com a Câmara de Comércio da China para Importação e Exportação de Medicamentos e Produtos de Saúde.

Em 2017, a China vendeu 358 mil toneladas de produtos ligados à medicina tradicional chinesa, um aumento de 0,7% em relação ao ano anterior.

O valor das exportações foi de 3,6 mil milhões de dólares (3,07 mil milhões de euros), um aumento de 2,1%, segundo o mesmo organismo.

Em 2016, o comité central do Partido Comunista Chinês (PCC) e o Conselho de Estado lançaram um plano estratégico de saúde de longo prazo (2016-2030), alicerçado em torno da medicina tradicional chinesa, tendo apostado em Macau como plataforma para a promover junto dos países europeus e lusófonos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)