A Finsolutia, empresa liderada por Nuno Espírito Santo Silva, primo do antigo dono do Banco Espírito Santo (BES) Ricardo Salgado, é uma das entidades que vai gerir a carteira de 8.726 imóveis que foram alienados recentemente pelo Novo Banco à entidade norte-americana Anchorage Capital Group, no valor de 716,7 milhões de euros, avançou o ECO.

Esta carteira contém sobretudo imóveis como estacionamentos e terrenos industriais e comerciais. A Lace Investment Partners estava responsável pela sua gestão, mas entregou-a a duas entidades: à Finsolutia, uma sociedade de gestão e recuperação de créditos que tem como presidente e fundador Nuno Espírito Santo Silva, e à Hipoges, que gere ativos avaliados em mais de 12.000 milhões de euros (dos quais 3 mil milhões em Portugal).

Em declarações ao ECO, o Novo Banco não adiantou qualquer esclarecimento sobre a o facto de um membro da família Espírito Santo estar encarregue de gerir ativos que pertenciam ao banco. Apenas referiram que a venda foi feita diretamente com o grupo americano Anchorage, que depois contratou as duas sociedades, juntamente com a Lace Investment. Está previsto que a transação seja concluída até ao final do ano.

Nuno Espírito Santo Silva diz que “não pode confirmar” as informações. “Não somos parte envolvida na transação. O que eu li no comunicado é que era entre a Anchorage e a Lace Investment Partners. Não tenho nada para comentar”, referiu ao jornal, remetendo para o comunicado enviado pelo Novo Banco.

O gestor criou a Finsolutia em 2007, através de uma junção entre o UBS Investment Bank, o Espírito Santo Investimento e a Ongoing Strategy Investments. Até ao final de 2006, Nuno Espírito Santo Silva trabalhou na sede do BES, que em 2014 foi alvo de uma medida de resolução, e foi também administrador da ES Capital, a private equity do BESI até 2009 ou 2010.