Rádio Observador

Orçamento do Estado

PSD quer penalizar especulação imobiliária

1.048

PSD propõe taxar as mais-valias imobiliárias em IRS consoante o tempo de titularidade do imóvel e descer IVA sobre as touradas e festivais de música. Partido tem 104 propostas para alterar orçamento.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Nuno André Martins

O PSD vai avançar com uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2019 onde propõe diferenciar a tributação que é aplicada em IRS sobre as mais-valias imobiliárias em função do tempo de titularidade do imóvel. Esta forma encontrada pelo partido para cumprir a vontade do líder do partido, Rui Rio, de penalizar a especulação imobiliária. O partido apresentou mais de 100 propostas de alteração ao orçamento que, diz, não agravam o défice se forem todas aprovadas no seu conjunto. Entre as propostas está também a descida do IVA sobre as touradas, cinema e festivais de música para 6%.

Numa conferência de imprensa na sede do partido, os deputados António Leitão Amaro e Duarte Pacheco, e o porta-voz do PSD para as finanças públicas Joaquim Sarmento, explicaram algumas das 104 propostas que o partido vai apresentar à proposta de Orçamento do Estado para 2019.

Entre elas está a proposta que concretiza a intenção já manifestada por Rui Rio de penalizar a especulação imobiliária. A forma que o PSD encontrou para fazer esta penalização foi a de diferenciar, em sede de IRS, a tributação das mais-valias imobiliárias em função da duração da titularidade do imóvel. Quem vender as casas ao fim de um ou dois anos de comprar as casas, estas mais-valias terão uma penalização em sede de IRS. No entanto, as isenções que já existem para o reinvestimento, ou quando o fim é para habitação própria e permanente.

Este agravamento será feito consoante o tempo da titularidade do imóvel nos seguintes moldes: quando o imóvel for vendido num prazo inferior a um ano de detenção do imóvel, a tributação sobre a mais-valia realizada será agravado em 100%; quando a venda for feita entre um e dois anos de titularidade do imóvel, o agravamento desce para 75%; quando a venda for feita entre dois a 15 anos de titularidade do imóvel o agravamento desce para 50%; quando o proprietário for titular do imóvel há mais de 30 anos, não há qualquer taxa.

Segundo o deputado Duarte Pacheco, para além desta medida, o PSD quer ainda agravar a tributação das mais-valias realizadas por empresas que detenham os imóveis a mais longo prazo, e fazer uma alteração nos escalões do IMT para desagravar os custos para quem quiser comprar casa.

O PSD vai propor também uma alteração aos escalões do IMI, mas ao contrário do que pedem os partidos à esquerda, a alteração não é feita no escalão máximo que os municípios podem cobrar, que é de 0,45%, mas sim no limite mínimo, que atualmente é de 0,3%. O PSD entende que este limite mínimo deve descer para 0,25%, o que deixa aos municípios que tenham essa margem financeira baixar o IMI que cobram a quem vive nesses municípios.

Outra das propostas do partido é a redução do IVA sobre as entradas nos espetáculos culturais para todos os eventos que estavam antes nos 13%. Isto inclui os festivais de música, que ficaram de fora da redução que o Governo quer fazer no IVA nas entradas para estes espetáculos, mas também as touradas e os bilhetes para o cinema.

O deputado António Leitão Amaro disse que só durante o período de especialidade o PSD irá anunciar qual a sua posição sobre as propostas apresentadas pelos restantes partidos nesta matéria, nomeadamente da inclusão dos espetáculos em recintos ao ar livre — caso dos festivais de verão. Sobre as touradas, o deputado disse que a posição da ministra da Cultura, Graça Fonseca, que disse que o IVA não descia nas touradas “por uma questão de civilização” é uma “posição ofensiva”.

Não à redução das propinas, manuais escolares gratuitos só sob condição de recursos

O PSD quer eliminar a proposta acordada entre o Governo e o Bloco de Esquerda para reduzir o valor máximo da propina em 212 euros e aplicar o valor que seria poupado com a não redução das propinas na construção de residências universitárias.

Já relativamente à gratuitidade dos manuais escolares, o partido entende que esta medida deve ser alargada aos estudantes do privado também, nas escolas com contrato de associação e no ensino profissional, mas só depois de ser aplicada a condição de recursos, para garantir que se tratam de famílias com carências económicas.

António Leitão Amaro acusou a esquerda de ter deixado de fora as escolas privadas e o ensino profissional “por cegueira política e ideológica” e que esta medida garante que os manuais escolares chegam às famílias que mais precisam.

Governo tem de voltar a negociar carreiras com os Professores

Outra das propostas do PSD é que volte a ser incluído no próximo orçamento a mesma norma que existe, por proposta da esquerda, no orçamento deste ano. Esta norma não determina qual o tipo de solução que o  Governo tem de encontrar para a contagem do tempo de serviço dos professores para a progressão na carreira, mas apenas que o Governo tem de voltar a negociar com os professores para encontrar uma solução, em vez da solução encontrada, que foi a de contar com dois anos e nove meses o tempo de serviço. Esta solução foi adotada por decreto, depois de as negociações não terem tido sucesso.

Outras proposta do PSD:

  • Eliminar a criação da taxa de proteção civil.
  • Revogar o adicional ao imposto sobre os combustíveis, também no gasóleo (Governo já anunciou a revogação para a gasolina)
  • Impedir agravamento da tributação sobre os sacos de plástico, passando este agravamento para os sacos mais pesados.
  • Limitar teto das cativações a 75% do total de 2018.
  • Cortar despesa dos gabinetes do Governo em 13 milhões de euros.
  • Obrigar o Governo a aplicar as poupanças com juros da dívida e os dividendos do Banco de Portugal e da Caixa Geral de Depósitos na redução da dívida pública.
  • Mudanças nos passes escolares só podem entrar em vigor quando forem aplicadas em todo o país.
  • Redução do IRS para emigrantes teria de se aplicar a todos os que tenham saído do país até ao primeiro semestre de 2018.
  • Mais um milhão de euros para a Entidade de Contas dos Partidos e mais cinco milhões para reforçar capacidade de investigação criminal da Polícia Judiciária.
  • Reduzir IRC para 19% em 2019 e para 17% em 2020.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)