Estivadores

Sindicato dos Estivadores acusa ministra do Mar de pactuar com ilegalidades nos portos

109

Em consequência da greve que ocorre há uma semana no Porto de Setúbal, o sindicato acusa a ministra do Mar de pactuar com a substituição de estivadores de Setúbal por estivadores de outros locais.

ANDRÉ AREIAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Sindicato dos Estivadores acusou esta quinta-feira a ministra do Mar de pactuar com a tentativa “ilegal” de substituir trabalhadores eventuais do porto de Setúbal, parados há mais de uma semana, por estivadores de Aveiro e Lisboa.

“Fomos confrontados com a tentativa de convocar estivadores do porto de Lisboa para substituir os trabalhadores eventuais em luta no porto de Setúbal. Denunciámos mais essa ilegalidade dentro do Mar de situações com que a ministra Ana Paula Vitorino tem pactuado”, refere um comunicado do SEAL, Sindicatos dos Estivadores e Atividade Logística.

Contacta pela agência Lusa, fonte do ministério do Mar remete para hoje à tarde uma resposta de Ana Paula Vitorino às acusações do sindicato.

De acordo com o SEAL, os estivadores de Lisboa recusaram a proposta para trabalhar em Setúbal, mas, posteriormente, também os trabalhadores do porto de Aveiro foram abordados para trabalharem durante três dias em Setúbal, em substituição dos trabalhadores eventuais parados há mais de uma semana em protesto contra a situação de precariedade em que se encontram dado que são contratados ao turno.

O sindicato alega que pelo menos alguns trabalhadores do porto de Aveiro receberam um `sms´ (mensagem de texto para o telemóvel) de um responsável da GPA, Empresa de Trabalho Portuário de Aveiro, a pedir-lhes para dizerem se estavam disponíveis para trabalhar durante três dias no porto de Setúbal.

“Não contentes com a primeira tentativa fracassada, alargaram o espectro e estão a tentar convocar os estivadores de Aveiro para trabalharem ilegalmente durante três dias em Setúbal, sendo `carregados´ durante 300 quilómetros em cada sentido, com direito a dormida em cama estranha, a serem pagos por verba surpresa `a informar atempadamente´, vergonhosamente escoltados por forças de segurança, requerida superiormente”, refere o comunicado do Sindicato dos Estivadores e Atividade Logística.

“Estes trabalhadores irresponsavelmente usados como carne para canhão, nada têm a ver com o porto de Setúbal, mas para este vão ser conduzidos com o intuito de potenciar conflitos entre trabalhadores para, assim, tentarem responsabilizar o SEAL por eventuais consequências de actos irresponsáveis, deliberadamente provocados pelos operadores portuários, em despudorado e notório conluio com a tutela do setor”, acrescenta o comunicado.

O SEAL alerta ainda a Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) e a Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) para eventuais ilegalidades que possam ocorrer durante esta quinta-feira com a eventual substituição de trabalhadores no porto de Setúbal e considera que este tipo de medidas não contribui para uma solução duradoura nos portos nacionais.

A agência Lusa tentou confrontar os responsáveis da GPA, Empresa de Trabalho Portuário de Aveiro, com as acusações do sindicato, mas não foi possível estabelecer contacto em tempo oportuno.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Produtividade: a culpa é da mão de obra?

Fernando Pinto Santos

De quem é a culpa da baixa produtividade do trabalho em Portugal? Da mão de obra? Sim, mas é só um dos fatores. Falta também maior eficiência dos fatores produtivos e maior capacidade para criar valor

Ensino Superior

Bolonha, 20 anos depois

José Ferreira Gomes

Temos um falso sistema de dois ciclos de licenciatura e mestrado porque se está a generalizar a prática de admitir a mestrado estudantes que não concluíram a licenciatura. Estranho? Não em Portugal!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)