Qatar

Damien Hirst deu à luz 14 esculturas no Qatar, mas nem todos gostaram

Em 2013, Damien Hirst inaugurava um trabalho sobre as diversas fases da gravidez. Durante vários anos, as obras foram escondidas e há duas versões: obras no hospital do Qatar e as críticas à "nudez".

AFP/Getty Images

O artista britânico Damien Hirst recriou uma “Jornada Milagrosa” no exterior do hospital de Sidra, no Qatar. Ao todo, foram instaladas a céu aberto 14 esculturas de bronze gigantes que representam a viagem desde a conceção até ao nascimento, mostrando, para quem passa no hospital dedicado à saúde da mulher e da criança, esculturas das várias fases da gravidez, desde o feto a crescer no útero até um recém-nascido de 14 metros. No entanto, as esculturas não agradaram a todos pela nudez que incluíam.

Segundo o The Guardian, a obra foi inicialmente apresentada em outubro de 2013, mas manteve-se escondida do público até às últimas semanas. E há duas versões: a versão oficial diz que foi necessário proteger as obras do trabalho de construção que estaria a decorrer no hospital — que custou cerca de oito mil milhões de euros –, mas há também quem afirme que as esculturas foram escondidas depois das várias críticas que se seguiram nas redes sociais.

“Penso que as diferenças culturais são um pouco difíceis. Em Inglaterra não haveria nenhum problema com um bebé nu. Culturalmente, sabemos que é a primeira escultura nua no Médio Oriente”, referiu Damien Hirst ao Doha News, dando resposta também às críticas.

Já Layla Ibrahim Bacha, especialista em arte da Fundação do Qatar — que detém a maior parte das obras de arte no país — afirmou que não se espera que as esculturas sejam aceites por todos: “Não estamos à espera que todos gostem delas. Não estamos à espera que todos as percebam”, afirmou. E acrescentou, citada pelo jornal britânico: “É por isso que elas estão lá, para realmente criar esse elemento de debate, esse elemento de pensamento”.

O artista britânico Damien Hirst recriou uma “Jornada Milagrosa” à porta do hospital de Sidra, no Qatar.

O conjunto de esculturas faz parte de uma coleção de arte contemporânea que foi instalada no hospital de Sidra, que já conta com 65 peças, incluindo uma instalação de néon chamada “Eu ouço o oceano e tudo o que ouço és tu”, de Tracey Emin, uma das contemporâneos britânicas mais inovadoras.

Na altura da apresentação da “Jornada Milagrosa” — que foi encomendada por Sheikha al Mayassa Hamad bin Khalifa al-Thani, a presidente da Autoridade dos Museus do Qatar –, foi organizada uma leitura do Alcorão sobre a formação da vida, num esforço para controlar as críticas. “Ter algo como isto é menos desafiante do que ter muita nudez”, disse Sheikha al Mayassa Hamad bin Khalifa al-Thani, abordando esse verso do Alcorão: “Não é nada contra a nossa cultura ou religião”. Damien Hirst, por sua vez, considerou que foi “muito corajoso” o facto de Sheikha Mayassa ter “aceite tudo isto”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)