Rádio Observador

Transportes

Lisboa vai ter regras para circulação e estacionamento das trotinetes elétricas

136

A Assembleia Municipal de Lisboa (AML) aprovou esta terça-feira uma recomendação do CDS-PP para a criação de regras e boas práticas para as trotinetes elétricas na cidade.

Há registo de apenas dois acidentes na cidade de Lisboa, derivados do uso das trotinetes elétricas da Lime

Getty Images

A Assembleia Municipal de Lisboa (AML) aprovou esta terça-feira uma recomendação do CDS-PP para a criação de regras e boas práticas para as trotinetes elétricas na cidade. A notícia foi avançada pelo jornal Público.

A recomendação feita ao município de Lisboa solicita a “criação de regras e boas práticas” e a clarificação das “matérias de maior preocupação, designadamente sobre circulação e estacionamento“. No documento, o CDS-PP pede que a Câmara de Lisboa intervenha, “através da Polícia Municipal, para ações de sensibilização e fiscalização sobre infrações e cumprimento das regras e legislação vigente“.

Segundo consta nessa recomendação, houve já diversos relatos sobre perturbações que as trotinetes elétricas têm vindo a causar na mobilidade dos peões, “em especial cidadãos com dificuldades de visão ou com limitações físicas”, devido ao estacionamento desordenado dos veículos pela cidade.

Neste sentido, o grupo municipal do CDS-PP apela à autarquia a implementação de “iniciativas de esclarecimento sobre os benefícios de utilização das trotinetes, bem como das responsabilidades e obrigações dos utilizadores“, de modo a evitar os perigos existentes na circulação e estacionamento dos veículos nos passeios.

Os centristas estão preocupados com o estacionamento de veículos no meio de passeios, obstruindo a passagem de peões, em particular dos invisuais ou com mobilidade reduzida, bem como os eventuais atropelamentos face à velocidade” a que as trotinetes circulam, destaca a mesma nota.

De acordo com o jornal, na sessão plenária desta terça-feira, o PAN fez três aditamentos à recomendação do CDS-PP, sendo que neles sugere que a autarquia publicite no seu site “os 90 locais identificados como hotspots [pontos de recolha] para as trotinetes com motor”, assim como as zonas “onde se desaconselha a utilização deste modo de transporte”. O partido quer também que sejam conhecidas “as condições de ocupação de espaço público estabelecidas” entre a câmara e a Lime, empresa fornecedora do serviço.

O MPT também tinha apresentado uma recomendação no mesmo sentido, que acabou por ser retirada pelo partido, que subscreveu o documento dos centristas. Além disso, foi também aprovada uma recomendação do PEV, que propôs a criação de uma carreira de bairro da Carris na zona envolvente da estação de metro de Arroios, e uma recomendação do PAN para que “se afetem mais meios à vigilância da natureza”.

Até ao momento, há registo de apenas dois acidentes na cidade de Lisboa, num contexto que revela a realização de mais de 120 mil viagens nas trotinetes da Lime.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)