Rádio Observador

Alojamento Local

GuestReady chega a Lisboa e Porto para ajudar proprietários a gerir alojamento local

Depois do Reino Unido, França, Hong Kong, Dubai e Malásia, a GuestReady chegou a Portugal. Quer otimizar o negócio dos proprietários e, ao mesmo tempo, oferecer um serviço personalizado aos hóspedes.

A GuestReady foi criada em 2016 e já opera em países como Reino Unido, França, Hong Kong, Dubai e Malásia

Tibor Silva

A GuestReady, uma startup internacional de gestão de unidades de alojamento local em plataformas online, acabou de entrar no mercado português, em Lisboa e no Porto. Trata-se de um serviço de gestão de serviços dedicado sobretudo aos proprietários, que promete ajudá-los com a logística dos imóveis, na colocação do anúncio em várias plataformas, no contacto personalizado com o cliente, entre outros serviços.

Alexander Limpert, presidente executivo e cofundador da startup, explicou que houve dois motivos que o levaram a escolher Portugal como próxima paragem: “Um dos fatores foi o mercado para alojamento local no país. Analisamos entre 10 a 20 fatores como os sinais de mercado, o número de alojamentos locais, o número de turistas que visitam a cidade, os custos para a limpeza, entre outros, e percebemos que Porto e Lisboa são cidades bastante atrativas”. O segundo fator, acrescentou o empreendedor, passou pela sua “ligação pessoal a Portugal“. “Já estive em Portugal cerca de dez vezes e cada vez que vou passo um bom bocado”, referiu ao Observador.

O serviço da GuestReady pode ser explicado em três passos: um proprietário que queira colocar a sua casa ou apartamento para arrendamento entra em contacto com a empresa. Nesta fase, a GuestReady vai querer “saber tudo sobre a casa” e ajuda o proprietário com várias ferramentas: conselhos sobre design, logística, estimativas de valores, ferramentas tecnológicas a que pode recorrer para a casa e até alguns conselhos legais. De seguida, é feita a preparação do anúncio para várias plataformas de alojamento, como a Airbnb, o Booking.com ou a HomeAway. Esta preparação envolve a captação de fotografias profissionais, a gravação de vídeos para colocar no anúncio e a otimização dos preços.

Por fim, e depois de o anúncio estar online, a GuestReady não fica por aqui e pode incluir um serviço personalizado de atendimento dos hóspedes — além de uma seleção criteriosa dos mesmos –, ao tratar da comunicação, da limpeza do espaço, da entrega segura das chaves, do check-in e também ao assegurar que tudo está preparado para receber os clientes e que a sua estadia será sempre acompanhada.

Alexander Limpert é o presidente executivo e um dos fundadores da GuestReady

A ideia de um projeto como a GuestReady, explicou Alexander Limpert, passou por uma necessidade que o próprio empreendedor começou por sentir. “Tinha um imóvel a arrendar no Airbnb e às vezes estava tão ocupado a viajar para longe da casa que precisava de alguém para me ajudar com serviços como a entrega das chaves e a limpeza”, conta ao Observador, acrescentando que também teve em conta que “as expectativas dos clientes estão a aumentar cada vez mais” e, por isso, é cada vez mais necessário oferecer um serviço com qualidade. Nasceu assim, em 2016, a GuestReady, que já opera em países como Reino Unido, França, Hong Kong, Dubai e Malásia e contou com um investimento inicial de 3,7 milhões de dólares (cerca de 3,3 milhões de euros).

Há uns anos, o Airbnb era apenas um colchão de ar no chão, mas agora todos querem a qualidade de hotel, alguém para os receber, para lhes falar na cidade”, referiu Alexander Limpert ao Observador.

Em Portugal, e no início da expansão, a empresa vai contar com uma equipa de dez pessoas — oito são portuguesas — espalhadas pelas duas cidades. Para realizar o serviço, a GuestReady cobra uma comissão entre 20 a 25% dos rendimentos dos proprietários ou um montante previamente definido, dependendo do serviço que cada proprietário pretende. “Para já trabalhamos apenas com as plataformas principais, como o Airbnb e o Booking.com, mas planeamos, no futuro, poder trabalhar com plataformas locais”, assegura ainda o cofundador da startup.

O mercado português “é bastante fragmentado”

Alexander Limpert explica também que o mercado português “é um mercado bastante fragmentado”: “Muitos proprietários possuem cinco ou dez propriedades e é um trabalho difícil. Precisamos de estar sempre lá”, refere, acrescentando que a GuestReady utiliza “a melhor tecnologia” e o seu serviço “pode ajudar a criar entre 30 a 50% de maior proveito” para os proprietários.

Investimos muito em tecnologia, temos uma equipa de engenheiros que trabalham para otimizar tudo e além disso oferecemos um serviço muito pessoal aos proprietários e hóspedes”, sublinhou Alexander Limpert.

Sobre as novas regras do alojamento local que entraram em vigor em outubro, e incluindo a mais recente decisão sobre a suspensão de alojamento em cinco zonas de Lisboa — Bairro Alto, Madragoa, Castelo, Alfama e Mouraria –, o empreendedor garante: “Estamos bem cientes das mudanças do regulamento e trabalhamos sempre de acordo com a regulação local”.

Atualmente, a GuestReady emprega cerca de 100 pessoas e gere cerca de 800 propriedade em todo o mundo. Em Portugal conta não só ajudar no mercado do alojamento local, como também “ser um centro de serviço para outros mercados em termos de tecnologia”, referiu ainda Alexander Limpert, acrescentando que a hipótese de expansão do serviço para outras cidades portuguesas poderá acontecer.

(Texto editado por Ana Pimentel)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)