Paleontologia

Paleontólogos portugueses descobrem o mais antigo crocodilo fóssil do mundo em Tentúgal

1.683

Uma nova espécie de crocodilo descoberta em Tentúgal desvenda que, afinal, esses animais são 20 milhões de anos mais antigos do que se julgava. É o fóssil de crocodilo mais antigo do mundo.

"Portugalosuchus azenhae" é uma espécie de crocodilo descoberta em Tentúgal por paleontólogos portugeses

D.R.

Uma nova espécie de crocodilo de Portugal descoberta na pedreira dos Carecos em Tentúgal, distrito de Coimbra, mudou completamente aquilo que os paleontólogos sabiam sobre a origem destes animais. Afinal, os crocodilos como os conhecemos são 20 milhões de anos mais antigos do que se julgava, concluiu um estudo assinado por paleontólogos portugueses da Universidade de Coimbra e da Universidade Nova de Lisboa. E têm características nunca antes observadas noutros animais.

A esta nova espécie os cientistas batizaram de Portugalosuchus azenhae: “suchus” porque é a palavra latina para “crocodilo”, “Portugal0” porque é uma espécie portuguesa e “azenhae” porque quem descobriu os fósseis — um crânio e uma mandíbula — foi a geóloga Matilde Azenha, que fazia estudos de terreno dentro da pedreira. Embora o objetivo desse estudo não fosse encontrar fósseis animais, não é incomum encontrá-los em locais como este: “Não andávamos à procura de crocodilos. A Matilde estava a estudar a geologia da região e deparou-se com estes fósseis. Em locais como este é possível ler um período da história que de outra forma estaria coberto por vegetação”, resume o cientista.

Os fósseis encontrados pela geóloga Matilde Azenha

De acordo com as explicações de Octávio Mateus, paleontólogo da Universidade Nova de Lisboa, até agora pensava-se que os primeiros crocodilos tinham surgido há 75 milhões de anos, no final do período Cretácico. Com a descoberta desta nova espécie, os cientistas sabem agora que, afinal, estes animais começaram há 95 milhões de anos. E isso é importante porque esta é uma “peça-chave para compreender as fases iniciais da evolução dos crocodilos, por ser o mais antigo do grupo a que chamamos Crocodylia, os verdadeiros crocodilos”, explica o paleontólogo.

O “iniciozinho”

Imagine que consegue viajar até ao passado da história da Terra e acaba no tempo em que os dinossauros dominavam o planeta. Se olhasse para os répteis semelhantes a crocodilos que existiam no início da era dos dinossauros — os crocodilomorfos — e depois os fosse comparar com este crocodilo descoberto por portugueses, provavelmente não conseguiria encontrar diferenças muito significativas. Mas um olhar mais atento descobriria uma característica muito importante para descrever a evolução desses animais: uma abertura na mandíbula.

Há muito que os cientistas procuravam por um animal com as características que os portugueses encontraram no Portugalosuchus azenhae. “Os crocodilomorfos, que são répteis que ainda não são como os crocodilos que nos conhecemos, tinham uma abertura nos ossos das mandíbulas. O cenário perfeito era encontrar o iniciozinho dessa abertura, o momento em que ela surgiu na morfologia destes animais. Foi isso que encontrámos em Tentúgal”, explicou Octávio Mateus ao Observador.

O surgimento dessa abertura foi muito importante para o sucesso da espécie dos crocodilos no cimo da terra, indica o paleontólogo. Se não fosse ele, talvez os crocodilos nunca tivessem chegado à atualidade. De acordo com Octávio Mateus, “esta abertura pode ter surgido para abrir uma passagem de músculos, artérias e nervos”: “Esse rearranjo da mandíbula fez destes crocodilos mais bem sucedidos”, concluiu o cientista da Universidade Nova de Lisboa. Como essa é uma “morfologia distinta de qualquer outro animal”, isso significava que este crocodilo pertencia a uma família nunca antes vista. E isso significava que ele simbolizava uma nova espécie.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Cancro

Dia Internacional das Crianças com Cancro

João de Bragança
2.282

O mundo doloroso das crianças e jovens com cancro é isto: a falta de leis, de apoios sociais, de condições ou de políticas, o excesso de protagonismos ou de pequenas lutas próprias.

Medicina

O perigo da ilusão da credibilidade na opinião

João Júlio Cerqueira e Miguel Mealha Estrada
2.052

Não existe uma medicina e uma medicina alternativa, nem uma realidade e uma realidade alternativa. Só há uma medicina, a que funciona. E uma realidade, a que os terapeutas alternativos teimam em negar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)