Celebridades

“Falo com as minhas roupas”: Courtney Love está a vender peças do armário

À boleia do grunge dos anos 90, Courtney Love eternizou-se como ícone de moda. Agora, está a vender algumas peças do guarda-roupa. Parte das receitas reverte para uma associação anti-bullying.

Courtney Love está a vender algumas peças do próprio guarda-roupa. Na seleção, estão marcas como Dior, Vivienne Westwood, Givenchy e Alexander McQueen

AFP/Getty Images

É impossível falar da moda dos anos 90 sem ir dar a este nome: Courtney Love, um ícone do grunge, marcou uma década inteira com o seu estilo arrojado e, muitas vezes, escandaloso. Mas a vida continua e de símbolo de vanguarda, no que toca à moda, Courtney evoluiu para uma silhueta de contornos clássicos, fã de primeira fila de marcas e criadores como John Galliano, Christian Dior, Givenchy e Alexander McQueen. Algumas dessas peças estão agora a ser vendidas na plataforma Heroine, a preços que vão dos 65 aos 1.415 dólares (dos 57 aos 1.235 euros). Tal como os comuns mortais, também uma celebridade planetária como Love precisa de limpar o guarda-roupa.

“O armário de uma mulher deve ser algo vivo. É quem tu és. Mesmo que seja River Island e Primark, continuas a ter o teu registo e as tuas cores. E se estás a tentar meter-te dentro daquela saia de lantejoulas que nunca usas, acho que tens de deitá-la fora. Não preciso assim tanto das coisas. As coisas que já deixei de usar estão a ir todas fora”, afirmou Courtney Love ao The Guardian, a propósito da venda da peças.

Há cerca de um mês, Courtney Love na LACMA Art + Film Gala, em Los Angeles, e usou um vestido Gucci, em seda e cristais © Emma McIntyre/Getty Images for LACMA

“Adoro moda e adoro partilhá-la com os outros — por isso, apesar de manter algumas peças com mais carinho do que outras, não vou me agarro a bens materiais. Quando chega a altura de me desfazer de alguma coisa, faço-o com prazer, pois acredito que, no final, a roupa deve ser usada e exibida de forma a que a sua beleza seja vista”, explicou numa entrevista ao site Heroine.

Esta não é a primeira vez que vende roupa online. Em 2011, Love já se tinha desfeito de algumas peças no eBay, depois de uma seleção feita dentro do próprio guarda-roupa, um processo que descreve como catártico. Aos 54 anos, a viúva de Kurt Cobain descreve uma relação sui generis com a roupa. Há conversas e, aparentemente, um entendimento mútuo entre as peças e a sua portadora. “Falo com as minhas roupas. Digo: ‘Queres ir embora durante uns tempos? Wendy, volta!’ Tem sido assim que a minha loucura vem ao de cima, fico em frente ao armário a perguntar às minhas roupas como é que estão”, contou na entrevista ao jornal britânico.

Enquanto musa, Courtney Love também coleciona alguns troféus. Uma história que começou com Marc Jacobs, embaixador do estilo punk e grunge dos anos 90, que em 1993 se inspirou na dupla Cobain e Love para desenhar uma coleção para a Perry Ellis. Quis o destino, neste caso a marca, que as peças fossem queimadas, precisamente por serem demasiado arrojadas. A fase seguinte ficou marcada pela relação com Gianni Versace. O génio italiano acabou por redefinir o estilo da estrela norte-americana, um processo que teve o seu ponto alto nos Óscares de 1997, quando Love desfilou na passadeira vermelha com um vestido branco e acetinado, assinado pelo designer.

Em 1997, desfilou na passadeira vermelha dos Óscares, a propósito da sua prestação no filme The People vs. Larry Flynt, com duas nomeações. O vestido foi desenhado por Gianni Versace, menos de um ano antes do seu assassinato © HECTOR MATA/AFP/Getty Images

A partir daí, a rapariga que, outrora, comprava roupa na Topshop e na Urban Outfitters, começou a construir uma relação com as grandes marcas de luxo europeias. John Galliano, Vivienne Westwood e Yves Saint Laurent foram favoritos. Ao The Guardian, relembra o encontro relâmpago com Karl Lagerfeld no lobby do Mercer Hotel, em Nova Iorque, num dia em que estava a usar um tutu.”[…] o Lagerfeld olhou para mim e disse: ‘Não vais acabar na cama de ninguém com um tutu’. Fui para o meu quarto, afastei todas as porcarias ultrapassadas para o lado e encontrei um vestido azul Miu Miu, um lindo casaco toupeira e vesti-o. Acabou ali. E fui para a cama, foi ótimo”, conta.

Além de grandes marcas (ainda há um mês, Courtney usou um longo e vibrante vestido amarelo da Gucci, numa gala em Los Angeles), o estilo e o guarda-roupa de Love também espelham um gosto pelo vestuário de outras épocas. Adepta dos tesouros vintage, brilhou em vestidos eduardianos, rendas e franzidos. O vício persegue-a até hoje. “Passo horas nesses sites e noutros a aprender mais e mais sobre roupa vintage […] Mais recentemente, interessei-me por peças como o vestido Delphos, de Mariano Fortuny, original do início do século XX”, continua.

De figura transgressora a símbolo de elegância, a seleção de 42 peças agora à venda mostra a evolução do estilo de Love. Limpar o armário e cultivar o desapego parecem ser os pressupostos da ação, que também tem um lado solidário. Uma parte das receitas reverte para a Stand for Courage, associação anti-bullying presidida por Nicole Rodriguez, irmã de Courtney.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Cancro

Dia Internacional das Crianças com Cancro

João de Bragança
2.483

O mundo doloroso das crianças e jovens com cancro é isto: a falta de leis, de apoios sociais, de condições ou de políticas, o excesso de protagonismos ou de pequenas lutas próprias.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)