Portagens

Utentes da Via do Infante pedem correção de “erro crasso” de 7 anos de portagens

Comissão de Utentes da Via do Infante pediu correção do "erro crasso" que foi a introdução de portagens no Algarve, há sete anos. PSD, CDS-PP e PS votaram contra a abolição do pagamento.

LUÍS FORRA/LUSA

A Comissão de Utentes da Via do Infante pediu este sábado a correção do “erro crasso” que foi a introdução de portagens no Algarve, há sete anos, depois de PSD, CDS-PP e PS terem votado contra a sua abolição. Envergando coletes amarelos, os vinte participantes no protesto distribuíram panfletos aos automobilistas que passavam na estrada situada frente a uma loja da empresa que faz a cobrança das portagens na Via do Infante (A22), exibindo cartazes onde se podia ler frases como “Obrigado Costa! Tens a mãos manchadas de sangue!”.

O porta-voz da Comissão de Utentes da Via do Infante (CUVI), o deputado João Vasconcelos (BE), referiu à Lusa que as portagens têm agravado a sinistralidade rodoviária e que, até 30 de novembro, registaram-se quase 9.890 acidentes em todo o Algarve, dos quais resultaram 37 mortos, mais dez do que no ano passado.

“Vamos chegar ao final do ano com mais de 10.000 acidentes no Algarve, pelo terceiro ano consecutivo, com muitos feridos graves e com muitos mortos”, principalmente na Estrada Nacional (EN) 125, que “não é uma alternativa credível”, tal como a ferrovia, que também “está em rutura”, disse.

Para João Vasconcelos, o PS e os outros partidos devem unir-se em torno da abolição das portagens no Algarve, que considerou um “erro crasso”, não só pela sinistralidade que causam ao empurrar os automobilistas para vias com menos condições, como porque custam muito ao erário público.

“Há deputados do PS e até do PSD que me vêm dizer: ‘tem razão, nós somos contra as portagens pelo prejuízo que causa ao Algarve’, mas quando chegam à Assembleia da República votam contra a eliminação de portagens. O que é que se passa aqui?”, questionou.

O deputado diz mesmo que as Parcerias Público Privadas (PPP) rodoviárias são “o maior crime económico, financeiro e social que se pratica no Algarve e no país”, uma vez que sai muito caro “ter concessionárias privadas a encher os bolsos às custas dos contribuintes”. De acordo com João Vasconcelos, a concessionária da Via do Infante recebe por ano 70 milhões de euros, 40 milhões do Estado e 30 milhões das portagens, o que “é imoral e um crime”.

“São 1.500 milhões de euros que vão para as concessionárias do país, quando, segundo um estudo da Eurostat, o preço razoável a pagar seria 400 milhões, ou seja o Estado está a pagar mais 1.100 milhões do que aquilo que devia pagar”, concluiu. Passam hoje sete anos desde que foi introduzida a cobrança de portagens na antiga Estrada Sem Custos (para o Utilizador Scut) que liga o Algarve de um extremo ao outro.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos
469

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)