O Presidente norte-americano Donald Trump nomeou o vice-secretário da Defesa, Patrick Shanahan, como secretário da Defesa interino, apressando assim a saída de Jim Mattis, que estava marcada para o final de fevereiro. Em causa estará o desagrado do Presidente com a interpretação de que Mattis saiu por desagrado com a decisão de Trump de retirar as tropas norte-americanas da Síria.

“Tenho o prazer de anunciar que o nosso muito talentoso vice-secretário da Defesa, Patrick Shanahan, vai assumir o cargo de secretário da Defesa interino a partir de 1 de janeiro de 2019”, tweetou o Presidente este domingo. “O Patrick tem uma longa lista de feitos enquanto vice e, antes disso, na Boeing. Ele vai ser ótimo!”

Shanahan, até aqui vice de Mattis, tem um percurso semelhante ao do antecessor. Ambos são do estado de Washington e trabalharam durante vários anos para a Boeing. Fontes da Casa Branca revelaram ao New York Times que Trump gosta bastante de Shanahan, em parte porque ele apoia o Presidente na ideia de que os sistemas da Defesa atuais são muito caros.

A decisão provocou surpresa porque estava previsto que Mattis ficasse no cargo até 28 de fevereiro, como o próprio escreveu na carta que entregou ao Presidente. Nela, o secretário da Defesa destacava os seus princípios — “tratar os aliados com respeito” e “não ter ilusões sobre os atores malignos e competidores estratégicos” — e assumia que podiam não estar de acordo com os do Presidente. “Porque tem o direito de ter um secretário da Defesa cujas ideias estejam mais alinhadas com as suas nestas e noutras matérias, penso que o correto é que eu abandone o meu cargo”, escreveu Mattis.

A decisão foi interpretada pela maioria dos media norte-americanos como sendo uma demissão explícita do general Mattis, em protesto contra a decisão de Donald Trump de retirar as tropas norte-americanas da Síria, anunciada um dia antes. Contudo, segundo explica o Times, o Presidente não terá gostada dessa cobertura noticiosa e, por isso, decidiu antecipar a saída de Mattis e a nomeação de Shanahan.

Na véspera, Trump tinha escrito um tweet sobre Mattis: “Quando o Presidente Obama despediu sem glória Jim Mattis, eu dei-lhe uma segunda oportunidade. Alguns acharam que eu não devia fazê-lo, outros acharam que sim”, afirmou, não sem antes responder às críticas do ex-secretário da Defesa: “Os aliados são muito importantes — mas não quando se aproveitam dos Estados Unidos.”