Rádio Observador

Assédio Sexual

Ator Kevin Spacey acusado judicialmente por agressão sexual a jovem de 18 anos em bar

Procuradores no estado de Massachusetts decidiram avançar com acusação contra ator. Em causa está alegado incidente sexual com um jovem de 18 anos em 2016. Spacey responde a acusações no Youtube.

Kevin Spacey já tinha sido acusado publicamente de outros casos de assédio sexual em 2017

Getty Images

Kevin Spacey vai ser formalmente acusado dos crimes de agressão sexual e ofensas corporais pelos procuradores locais de Cape Cod and the Islands, no estado do Massachusetts (EUA). O ator  de 59 anos, deverá comparecer perante um juiz no dia 7 de janeiro para responder por acusações de agressão sexual e lesão corporal ao filho de uma jornalista televisiva de Boston

O procurador Michael O’Keede anunciou esta segunda-feira que Spacey será formalmente acusado no Tribunal de Nantucket a 7 de janeiro. Em causa está uma alegada agressão sexual a um jovem de 18 anos, filho da jornalista Heather Unruh, do canal de televisão WCVB-TV. “Fico contente por saber que o caso está a avançar no sistema judicial”, comentou a mãe da alegada vítima ao Boston Globe.

Em reação ao anúncio, Spacey colocou no Youtube um vídeo chamado “Vou ser franco”, um trocadilho com o nome da sua personagem na série “House of Cards”, Frank Underwood, e falou pela primeira vez em público desde que surgiram várias acusações contra si. Falando na voz do seu personagem, que na série morreu depois de virem a público acusações semelhantes às que recaem sobre Spacey, afirma saber que o público o “quer de volta”.

“Claro que houve quem acreditasse em tudo e estivesse à espera de me ouvir confessar tudo. Estão mortos por me ouvir declarar que tudo o que disseram é verdade e que tive o que merecia. Mas não vou pagar pelo que não fiz”, ouve-se no vídeo de três minutos, sem se perceber sem margem para dúvida se o ator se refere às acusações que enfrenta na vida real.

O vídeo termina com Spacey a dizer que em breve será conhecida “toda a verdade”.

O caso foi tornado público pela jornalista em novembro de 2017, numa conferência de imprensa emotiva, quase ano e meio depois do ocorrido. Nessa conferência, Unruh acusou o ator norte-americano de ter assediado sexualmente o seu filho. Segundo a jornalista, o jovem de 18 anos estaria num bar em Nantucket, o The Clube Car, quando se cruzou com Spacey e ficou “encantado” por conhecer o ator. Por causa disso, ter-lhe-á dito que já tinha idade suficiente para beber (nos Estados Unidos só é permitido consumir bebidas alcoólicas a partir dos 21 anos).

Unruh garante que Spacey comprou várias bebidas ao rapaz, embebedando-o. Depois, terá enfiado a mão dentro das calças do jovem e começado a mexer-lhe nos genitais. O jovem terá depois aproveitado o convite do ator para ir para uma outra festa para fugir para casa.

A vítima, o meu filho, era um jovem de 18 anos heterossexual que ficou encantado e que não fazia ideia que o ator famoso era um alegado predador sexual, nem que estava prestes a tornar-se na sua próxima vítima“, declarou à altura a jornalista.

O ator já foi acusado de outros casos de agressão sexual, tornados públicos em 2017. As acusações ditaram o seu afastamento da série House of Cards, da qual era protagonista. Estão em curso investigações por agressão sexual em Los Angeles, por acontecimentos de 2016 e existem também acusações sobre situações semelhantes quando era diretor artístico do teatro Old Vic, em Londres.

Atualizado às 22.30 com vídeo de Kevin Spacey.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)