Espaço

Sonda espacial da NASA já enviou sinais para terra depois de sobrevoar objeto mais distante de sempre

145

'Ultima Thule' é um vestígio congelado da formação do sistema solar situado a 6,4 mil milhões de quilómetros da Terra. A sonda espacial New Horizons já enviou sinais e as imagens começam a chegar.

NASA/JHUAPL/SwRI / HANDOUT/EPA

Autores
  • Agência Lusa
Mais sobre

“Nunca antes uma nave espacial explorou um objeto tão distante”. Foi desta forma que a NASA anunciou o feito que se registou esta terça-feira: a sonda espacial New Horizons sobrevoou o objeto mais distante alguma vez visto. A informação foi avançada pelo diretor científico da missão, Alan Stern.

Trata-se do ‘Ultima Thule’, um vestígio congelado da formação do sistema solar situado no cinturão de Kuiper, a cerca de 6,4 mil milhões de quilómetros da Terra. Os cientistas esperam que sua observação ajude a entender melhor como o sistema solar foi formado.

Horas depois da missão, a New Horizons já enviou os primeiros sinais para terra, confirmando que sobreviveu à aproximação ao objeto, confirmou a NASA em comunicado. Os indicadores foram recebidos com grande entusiasmo pelos técnicos da NASA e mostram que a sonda espacial está “de boa saúde”.

A informação que temos é fantástica e já começamos a aprender sobre a ‘Ultima’ de perto. A partir daqui a informação será cada vez melhor”, referiu ainda Alan Stern.

A Sonda espacial terá tirado cerca de 900 imagens durante os poucos segundos em que sobrevoava o Ultima Thule, a uma distância de cerca de 3.500 quilómetros. A primeira fotografia já foi revelada pela NASA esta quarta-feira, sendo reveladas ao longo do dia mais imagens. Segundo a NASA, as imagens que a sonda enviou permitem perceber que há duas hipóteses quanto à forma da Ultima Thule: poderá ser semelhante a um pino de bowling, que gira constantemente, ou poderão tratar-se de dois objetos que orbitam entre si.

Ainda esta terça-feira, a Sky News divulgou um vídeo com os primeiros momentos depois de a sonda ter chegado ao objeto. Nas imagens, o ambiente de festa é visível, com a presença de várias pessoas, incluindo crianças, que seguravam a bandeira dos Estados Unidos na mão.

Existe ainda um dado curioso associado a este feito histórico: o mítico guitarrista dos Queen também está envolvido, ainda que de forma lateral, nesta missão. Doutorado em astrofísica, Brian May escreveu uma canção especialmente para o momento em que a sonda da NASA, que deixou a Terra em 2006, sobrevoasse o objeto mais distante de sempre. O single, intitulado “New Horizons”, é o primeiro lançado pelo guitarrista desde 1998. O tema foi composto este ano depois de o líder desta missão, Alan Stern, ter desafiado o músico britânico a associar-se a este momento.

(Artigo atualizado às 8h06 do dia 2 de janeiro de 2019)

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Japão

Pegar o touro pelos cornos /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não deixa de ser irónico que as potências por detrás da intransigência doutrinária da Comissão Baleeira Internacional sejam as mesmas que, no século 19, exigiram ao Japão que lhes abrisse os portos...

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)