Rali Dakar

A história de Lucas Barrón, o primeiro piloto com Síndrome de Down a participar no Dakar

12.058

Tem 25 anos, pratica todos os dias exercício em diversos desportos, faz equipa com o pai e será o primeiro piloto com Síndrome de Down a participar no Dakar, que arranca esta segunda-feira no Peru.

Lucas Barrón já participou no Desafio Inca e teve cerca de um ano e meio de preparação com o pai para o Dakar de 2019

AFP/Getty Images

Ao longo de quatro décadas, o Dakar mudou de sítio, alterou o modelo competitivo mas nunca perdeu o condão de ser um livro aberto de histórias atrás de histórias. Em 2019, ano que terá 5.000 quilómetros de competição ao longo de dez dias (70% dos quais percorridos na areia) apenas no Peru, essa marca não será exceção. Temos o caso de Mitchel Van den Brink, mecânico e navegador que será o mais novo de sempre a participar na prova com apenas 16 anos e na equipa do pai, Martin. Ou o caso de Nicola Dutto, antigo campeão europeu de enduro que seguiu os conselhos de Marc Coma após o grave acidente sofrido na Baja de Itália em 2010 e vai agora tornar-se o primeiro paraplégico em motos. Depois, há o caso de Lucas Barrón.

Aos 25 anos, o peruano que é viciado em todo o tipo de desportos – uma das suas grandes paixões, a par da música entre o rock e o hip hop – tem por hábito correr todos os dias, jogar futebol, nadar fazer wakeboard ou ir apenas ao ginásio. Desde pequeno que acompanha e segue de perto os desportos motorizados também por influência do pai, praticante no ativo. Agora, depois de dois “testes” exigentes nos ralis que correram bem e da necessária autorização da mãe, vai fazer dupla com Jacques no “Barrón x 2”, como copiloto. A partir de hoje, Lucas será o primeiro participante de sempre no Dakar com síndrome de Down.

“Vou ajudar o meu pai a ver o motor, a rota que seguimos e os pneus”, confessou na antecâmara da partida. “Desde pequeno que gosto muito de carros. Comecei com essa paixão porque via sempre carros nos filmes, via vídeos de corridas e também porque acompanhava o meu pai nas suas competências. Agora vou cumprir o sonho da minha vida. Quero mesmo muito correr com o meu pai, que me ensina tantas coisas. Quero conseguir ajudá-lo, ser a sua mão direita”, acrescentou.

Lucas com o pai, Jacques, que participou quatro vezes no Dakar mas na prova de motos, e o seu UTV (ERNESTO BENAVIDES/AFP/Getty Images)

Em conversa com a Marca, Lucas não conseguiu disfarçar algum nervosismo até por ser um dos mais requisitados para falar entre os cerca de 500 participantes mas admitiu que, quando o motor arrancasse, tudo isso ficaria para trás. “Não estou assustado, sou um homem valente. Estou muito feliz e orgulhoso. A outros miúdos como eu digo apenas para perseguirem os seus sonhos”, respondeu o copiloto de 25 anos ao jornal, que explica ainda a forma como funcionará a parceria com o pai: Jacques, que participou quatro vezes no Dakar mas em motos, irá pilotar e ter o livro da rota. No entanto, Lucas terá uma grande importância na parceria. “Depois da edição de 2013 tive um acidente que me magoou muito o ombro e tive de deixar de competir. Estou semi impedido nessa zona, o que faz do Lucas quase a minha mão direita, literalmente. Se ficarmos atolados, não tem problemas em empurrar. Como lhe costumo dizer a brincar, ele é a mão de obra e eu sou a direção técnica da equipa”, explica o pai, acrescentando que teve de existir uma permissão da mãe, Lucía, para a realização deste projeto.

“A única condição que ficou definida, e vai ser assim, é que se o Lucas ficar cansado abandonamos. No entanto, completámos 1.000 quilómetros sem problemas e este ano repetimos o Desafio Inca, que é a prova do Dakar series, e também terminámos, até ultrapassando alguns carros. No início este era apenas um plano entre mim e o Lucas mas gerou-se um grande movimento, não pensei que pudesse ter tanta repercussão. As pessoas aproximam-se de nós na rua e dizem-lhe ‘És um herói’ e ele está tão feliz mesmo sem ter participado ainda na corrida”, acrescentou Jacques Barrón, antes de contar a reação da organização quando fez a apresentação da equipa: “A resposta quando lhes disse que o Lucas ia ser o copiloto foi ‘E?’. Fizeram os testes físicos e estava apto, tem também uma capacidade de atenção suficiente e deram-nos a licença”.

Jacques vai participar com o filho Lucas em 2019 mas tem outro sonho: juntar a filha, Adriana (ERNESTO BENAVIDES/AFP/Getty Images)

Em paralelo, Jacques Barrón, de 55 anos, confessou também o apoio do seu grande ídolo, Cyril Despres, piloto francês que já venceu cinco vezes o Dakar: “É meu amigo e escreveu-me através do Facebook para me dar ânimo. E também nos proibiu a todos de usarmos a camisola que tinha dado ao Lucas porque era só para ele. Miúdos como o Lucas podem desenvolver determinadas capacidades, no caso dele pode praticar qualquer desporto”.

Mesmo sem grandes patrocínios e com um dos carros mais modestos da competição, a dupla Barrón tem como principal meta terminar a prova, depois de cerca de um ano e meio de preparação. “Conheço grande parte das zonas pelas quais vai passar este Dakar e isso dá tranquilidade. No Desafio Inca, por exemplo, ajudou-me quando o carro estava atolado, já antes tinha empurrado o carro. Vê também os instrumentos de navegação, as temperaturas e a pressão dos pneus”, contou citado pelo Sport, que lança ainda um desafio futuro que seria ainda mais inesquecível para a família Barrón – acrescentar à equipa a filha, Adriana, que se dedica nesta fase à vela, e participar na prova de camiões do Dakar.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)