Pelo menos três pessoas morreram este sábado de manhã na sequência de uma forte explosão numa padaria no 9.º bairro de Paris, capital de França. Dois dos três mortos são bombeiros, confirmou o ministro do interior francês. As autoridades descartam a hipótese de atentado e tudo indica que terá sido uma fuga de gás a estar na origem do fogo. Inicialmente, a imprensa francesa apontava para 4 vítimas mortais, mas as autoridades só confirmam três. A Reuters avança que a terceira vítima é um cidadão espanhol.

A explosão, nos arredores da Ópera de Paris, feriu pelo menos 36 pessoas, destruiu 8 viaturas e várias montras nas redondezas, segundo a polícia e relatos de jornalistas da agência France-Presse presentes no local. O ministro do Interior francês garante que situação está controlada, mas que o “balanço é pesado”, tendo já confirmado a morte de dois bombeiros.

O procurador francês Remy Heitz diz não haver suspeitas de terrorismo e que “tudo aponta para acidente e para uma fuga de gás na padaria mas a investigação está em curso”.

As primeiras informações indicavam que o que se passou foi um incêndio seguido de uma forte explosão. As autoridades investigam uma fuga de gás como a principal pista para explicar o sinistro. Entre os 36 feridos, 12 estarão em estado crítico — cinco deles, dois bombeiros, correm risco de vida —  e 24 são feridos ligeiros.

Christophe Castaner, ministro do Interior, esteve no local do sinistro e adiantou que foram enviados para o 9.º bairro parisiense 200 bombeiros e 100 polícias. “A situação está agora sob controlo. O balanço parece pesado. Estamos a acompanhar as vítimas. Todos os nossos serviços de atendimento estão mobilizados”, afirmou o governante.

Segundo várias fontes, os bombeiros já estavam no local a combater as chamas quando ocorreu a explosão, daí haver bombeiros entre os feridos graves e as vítimas mortais.

As primeiras informações indicam que o que se passou, cerca das 09h00 da manhã em Paris (08h00 em Lisboa), foi um incêndio seguido de uma forte explosão. As autoridades investigam uma fuga de gás na Rue de Trévise como a principal pista para explicar o sinistro.

Fonte oficial da secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas disse à Lusa que o Consulado de Paris está a monitorizar a situação e não há, até ao momento, informação de portugueses entre as vítimas.

A explosão aconteceu ao início de mais um dia de protestos em Paris do chamado movimento dos ‘coletes amarelos’, que se teme possa degenerar em distúrbios. Em toda a França estão mobilizados cerca de 80 mil polícias e agentes dos serviços de segurança.

Este é o nono sábado de mobilização contra o aumento dos combustíveis, por uma taxação mais justa e contra a queda do poder de compra. A emblemática torre Eiffel estará fechada, tal como uma dezena de museus em Paris, para prevenir qualquer impacto de uma possível manifestação marcada pela violência.