PS

Solução “não é sair nem estar de joelhos”, mas defender país “no seio” da Europa

O secretário-geral do PS defendeu este sábado que a solução para Portugal "não é sair, nem é estar de joelhos na Europa", mas sim defender o país "no seio da União Europeia".

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral do PS defendeu este sábado que a solução para Portugal “não é sair, nem é estar de joelhos na Europa”, mas sim defender o país “no seio da União Europeia”.

“Sim, nós [PS] fazemos a diferença, porque para nós a solução não é sair da Europa, nem é estar de joelhos na Europa, é estar a defender Portugal no seio da União Europeia”, disse António Costa, na Pousada do Alqueva, no concelho de Moura, no distrito de Beja.

O líder dos socialistas falava na sessão de encerramento da primeira de uma série de sete convenções regionais e uma nacional que o PS vai promover sob o lema “Portugal é Europa. Que Europa no Futuro do Nosso País” para lançar a campanha socialista para as eleições europeias deste ano.

Segundo António Costa, “é fundamental dar força ao PS na Europa”, porque, “em primeiro lugar, se é necessário defender a Europa é preciso dar força àquele partido que em Portugal é desde sempre o partido mais europeísta, o partido mais defensor do projeto europeu”.

“O partido, que, desde o pedido de adesão e até hoje, nunca teve dúvidas de qual era a sua posição: defender a integração de Portugal, o aprofundamento do projeto europeu, defender que haja cada vez mais Europa e maior solidariedade dentro da Europa”.

“A segunda razão fundamental é porque o PS faz a diferença na Europa”, continuou o também primeiro-ministro, referindo: “ainda nos lembramos todos como há dois anos havia uns que diziam que era preciso deixar a Europa ou pelo menos deixar o euro para nos podermos libertar da austeridade”.

Já “outros diziam que se queríamos continuar no Euro e na Europa tínhamos de nos continuar a dobrar à austeridade. E nós [PS] conseguimos provar, porque fizemos a diferença, que era possível romper com a austeridade mantendo-nos no euro”, afirmou.

Durante o atual Governo PS, lembrou, “foi possível devolver os salários que estavam cortados, foi possível devolver as pensões que tinham sido cortadas, foi possível voltar a investir no Serviço Nacional de Saúde, na Educação, foi possível reduzir os impostos sobre o trabalho”.

“E conseguimos fazer isto tudo ao mesmo tempo que conseguimos ter o défice mais baixo da nossa democracia e conseguimos reduzir a nossa dívida pública”, frisou.

O líder do PS disse que os portugueses “sabem bem porque é que importa defender a União Europeia”, lembrando que “é graças à União Europeia que temos 32 anos de modernização, de progresso e de desenvolvimento, como era muito difícil imaginarmos que poderíamos ter tido se não estivéssemos na União Europeia”.

Em Portugal, há vários “bons exemplos” de “como a solidariedade da União europeia foi decisiva” em várias áreas, disse, frisando, a título de exemplo, que o Alentejo está “transformado” pelo “gigantesco projeto do Alqueva”, que foi feito porque “houve fundos da União Europeia” para o fazer.

“Portugal precisa de um PS forte na Europa”, porque “há muito para lutar na União Europeia”, defendeu, frisando que o país tem uma “luta importante”: “o próximo quadro financeiro plurianual”.

“Ou seja, que os fundos comunitários do próximo quadro de programação não vão cortar na coesão, não vão cortar no segundo pilar da política agrícola comum e vão continuar a financiar essas políticas que têm sido fundamentais para o nosso desenvolvimento”, disse.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

O Roteiro dos Quatro Presidentes

António Covas

É esta acumulação de riscos, esta “desesperança no futuro”, onde o elevador social parece não funcionar, que estão a minar, a pouco e pouco, a confiança nas instituições e a criar o azedume político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)