PS

Solução “não é sair nem estar de joelhos”, mas defender país “no seio” da Europa

O secretário-geral do PS defendeu este sábado que a solução para Portugal "não é sair, nem é estar de joelhos na Europa", mas sim defender o país "no seio da União Europeia".

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral do PS defendeu este sábado que a solução para Portugal “não é sair, nem é estar de joelhos na Europa”, mas sim defender o país “no seio da União Europeia”.

“Sim, nós [PS] fazemos a diferença, porque para nós a solução não é sair da Europa, nem é estar de joelhos na Europa, é estar a defender Portugal no seio da União Europeia”, disse António Costa, na Pousada do Alqueva, no concelho de Moura, no distrito de Beja.

O líder dos socialistas falava na sessão de encerramento da primeira de uma série de sete convenções regionais e uma nacional que o PS vai promover sob o lema “Portugal é Europa. Que Europa no Futuro do Nosso País” para lançar a campanha socialista para as eleições europeias deste ano.

Segundo António Costa, “é fundamental dar força ao PS na Europa”, porque, “em primeiro lugar, se é necessário defender a Europa é preciso dar força àquele partido que em Portugal é desde sempre o partido mais europeísta, o partido mais defensor do projeto europeu”.

“O partido, que, desde o pedido de adesão e até hoje, nunca teve dúvidas de qual era a sua posição: defender a integração de Portugal, o aprofundamento do projeto europeu, defender que haja cada vez mais Europa e maior solidariedade dentro da Europa”.

“A segunda razão fundamental é porque o PS faz a diferença na Europa”, continuou o também primeiro-ministro, referindo: “ainda nos lembramos todos como há dois anos havia uns que diziam que era preciso deixar a Europa ou pelo menos deixar o euro para nos podermos libertar da austeridade”.

Já “outros diziam que se queríamos continuar no Euro e na Europa tínhamos de nos continuar a dobrar à austeridade. E nós [PS] conseguimos provar, porque fizemos a diferença, que era possível romper com a austeridade mantendo-nos no euro”, afirmou.

Durante o atual Governo PS, lembrou, “foi possível devolver os salários que estavam cortados, foi possível devolver as pensões que tinham sido cortadas, foi possível voltar a investir no Serviço Nacional de Saúde, na Educação, foi possível reduzir os impostos sobre o trabalho”.

“E conseguimos fazer isto tudo ao mesmo tempo que conseguimos ter o défice mais baixo da nossa democracia e conseguimos reduzir a nossa dívida pública”, frisou.

O líder do PS disse que os portugueses “sabem bem porque é que importa defender a União Europeia”, lembrando que “é graças à União Europeia que temos 32 anos de modernização, de progresso e de desenvolvimento, como era muito difícil imaginarmos que poderíamos ter tido se não estivéssemos na União Europeia”.

Em Portugal, há vários “bons exemplos” de “como a solidariedade da União europeia foi decisiva” em várias áreas, disse, frisando, a título de exemplo, que o Alentejo está “transformado” pelo “gigantesco projeto do Alqueva”, que foi feito porque “houve fundos da União Europeia” para o fazer.

“Portugal precisa de um PS forte na Europa”, porque “há muito para lutar na União Europeia”, defendeu, frisando que o país tem uma “luta importante”: “o próximo quadro financeiro plurianual”.

“Ou seja, que os fundos comunitários do próximo quadro de programação não vão cortar na coesão, não vão cortar no segundo pilar da política agrícola comum e vão continuar a financiar essas políticas que têm sido fundamentais para o nosso desenvolvimento”, disse.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catarina Martins

O Bloco é de extrema-esquerda? /premium

Luís Rosa
168

O BE quer destruir o capitalismo, vê o mercado como nocivo para as relações humanas, o Estado como o único proprietário e a intolerância política como arma. Puro extremismo vestido de vermelho.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)