Inovação

Revolut atinge 100.000 clientes em Portugal e passa a “falar” português

1.783

"Fintech" que define como missão ser a "Amazon dos bancos" vai passar a disponibilizar a "app" em língua portuguesa. E até ao final do ano irá passar a ser possível lá receber o salário.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A cada dia, entre 300 e 400 pessoas aderem ao Revolut em Portugal, levando a fintech que quer revolucionar a banca (como a Amazon revolucionou o retalho) a atingir os 100 mil utilizadores, segundo comunicado divulgado esta quinta-feira. A fintech está em crescimento em Portugal — um crescimento que acelerou 50% nos últimos três meses — e o país já se tornou o oitavo maior mercado da Revolut, “apenas ligeiramente atrás de Espanha e França”, diz a empresa. Em todo o mundo, mais de três milhões de pessoas são clientes.

Essa importância crescente do mercado português, bem como de outros países de língua portuguesa, como o Brasil, terá levado a fintech a passar a disponibilizar a app de smartphone que é o principal meio de interação entre o utilizador e a sua conta bancária no Revolut. E, em breve, essa conta bancária irá passar a ser uma conta bancária como qualquer outra, já que a Revolut obteve recentemente uma licença bancária que lhe permite, por exemplo, receber depósitos e conceder crédito.

Até recentemente, os fundos que os clientes carregam para a sua “conta” no Revolut são depositados numa conta bancária de um grande banco britânico, porque a Revolut não tinha uma licença bancária que lhe permitisse, por exemplo, recolher depósitos de clientes. No fundo, até ao momento, o cartão tem funcionado como um pré-pago, que os clientes carregam através de transferência bancária, por pagamento via cartão de débito ou de crédito ou usando Apple Pay ou Google Pay, por exemplo. Mas a empresa já recebeu autorização para passar a ter uma plataforma bancária própria.

A Revolut é muito usada, sobretudo, por quem viaja muito, já que a aplicação funciona com pré-carregamento (top up) e permite, depois, a conversão instantânea e gratuita de uma moeda para outra, entre 24 moedas mundiais, com a taxa real daquele momento, sem “acréscimos” ou comissões. Com o cartão Revolut é, também, possível levantar até 200 euros por mês nos caixas automáticos (ATM) dos vários países, sem custos.

A ambição da fintech, segundo o comunicado divulgado esta quinta-feira, é, cada vez mais, converter “os clientes leais que usam o Revolut para as viagens” em clientes que “usam o cartão para as suas despesas diárias”. Todavia, em Portugal, o cartão só é aceite em caixas automáticos e terminais de pagamento que tenham disponível a rede Mastercard ou Visa. Isto quer dizer que os titulares do cartão Revolut não conseguem usá-lo num comerciante nacional que aceite apenas cartões da rede Multibanco. Um pagamento pela rede Multibanco pode custar menos de metade aos comerciantes nacionais do que um pagamento pela rede Mastercard ou Visa.

“Até ao final deste ano, os clientes portugueses vão começar a poder depositar [na Revolut] os seus salários”, garante a Revolut.

Como em qualquer outra conta bancária na Europa, os depósitos na Revolut vão estar protegidos pelos sistemas de garantia de depósitos até 100 mil euros (por conta, por titular). A empresa sugere que as pessoas podem passar a receber os ordenados na sua conta Revolut, prescindindo de ter conta nos bancos tradicionais. Além de fazer depósitos, a conta passa a poder ter contas a descoberto, empréstimos pessoais e empresariais em poucos minutos e “a taxas muito competitivas em relação aos bancos tradicionais”.

Embora queiram ser a solução para a maioria das pessoas, a Revolut tem penetrado essencialmente na geração dos 18 aos 23 anos, “que nunca interagiram com um banco e que querem uma experiência superfácil, como no WhatsApp e no Instagram”, explicou em entrevista ao Observador, em março, o diretor-geral da companhia para a Península Ibérica. A app também é muito utilizada pelos viajantes, que movimentam dinheiro em diversas divisas, e consumidores com estilos de vida internacionais.

A empresa garante que a Revolut não aplica qualquer margem na conversão cambial, ao contrário do que faz a maioria dos bancos. “A maioria do dinheiro que ganhamos é na subscrição Premium e na taxa de serviço aos comerciantes”, que é partilhada com a Visa e a Mastercard. Além disso, a empresa também obteve uma receita substancial com a negociação de criptodivisas.

A Revolut também fatura com as comissões cobradas quando os levantamentos excedem o máximo gratuito e com outros itens como uma fração das vendas de seguros de saúde internacionais que são oferecidos na conta Premium.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Inovação

Uber: o entrepreneur vai nu?

Fernando Pinto Santos
310

O dinheiro dos investidores da Uber subsidia as viagens e é o que permite a oferta de preços competitivos. Isto é sustentável? É este o paradigma de empreendedorismo que desejamos?

Global Shapers

Fintechs, Insurtechs e Regtechs /premium

João Freire de Andrade

Porque é que energia de ativação não foi ainda suficiente? Falta de foco? Orçamento? Atritos na decisão e navegação das políticas da organização? Sistemas informáticos desatualizados? Compliance?

Trabalho

Teletrabalho é modernidade laboral

Fabiano Zavanella

Defendemos que a tecnologia, aliada ao teletrabalho, é uma contribuição enorme para o problema da mobilidade urbana, principalmente nos grandes centros, e uma das soluções para minorar o desemprego.

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)