Aveiro

Aumentou número de casos de vespa asiática detetados em Estarreja

363

Os casos de vespa asiática em Estarreja são cada vez mais, tendo sido, desde o início do ano, desativados, em média, dois ninhos por dia. Em janeiro, a Proteção Civil já recebeu 27 denúncias.

A autarquia alerta que nunca se deve destruir o ninho, porque a sua destruição parcial dissemina as vespas que constituem assim novos ninhos

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Estarreja tem assistido a um “aumento exponencial” de vespas asiáticas e desde o início do ano foram desativados, em média, dois ninhos por dia, revelou esta sexta-feira a câmara municipal.

“Entre 2016 e 2018, foram detetados e desativados 231 ninhos no município e destes, mais de metade, 138, dizem respeito a 2018, o que traduz o aumento exponencial da presença de vespas asiáticas que se tem verificado também no município”, contabiliza a autarquia.

Neste mês de janeiro, o Serviço Municipal de Proteção Civil já recebeu 27 denúncias, sendo que nos primeiros dez dias foram desativados em média dois ninhos por dia, estando apenas dois casos ainda por resolver.

A Câmara de Estarreja refere que alguns dos casos detetados ocorreram no centro de Estarreja, pelo que adverte que, “se inicialmente os ninhos apareciam em zonas rurais, hoje a praga pode ocorrer em qualquer lado, como árvores, casas, silvados, ou no solo, e em áreas urbanas, o que potencia a proximidade à população”.

Dar resposta em menos de 48 horas é objetivo da Câmara de Estarreja que tem vindo a afinar procedimentos, “com a finalidade de acionar uma intervenção o mais imediata possível”. “Foi introduzida a georreferenciação online dos ninhos, tornando mais eficaz a monitorização da distribuição e expansão da praga da vespa asiática, bem como a intervenção e tratamento”, dá conta a autarquia. Em termos futuros, será promovida uma ação para angariação de voluntários “observadores”.

Apicultores, caçadores, madeireiros e pessoas que habitualmente fazem caminhadas poderão ter um papel importante na deteção dos ninhos, pelo que a Câmara de Estarreja está a preparar uma ação para voluntários “observadores”.

No caso de ser avistado um ninho a autarquia recomenda que se ligue para o Serviço Municipal de Proteção Civil, Bombeiros ou Junta de Freguesia, ou ainda fazer o registo na plataforma online para o efeito, e alerta que nunca se deve destruir o ninho porque a sua destruição parcial dissemina as vespas que constituem assim novos ninhos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)