Justiça

Advogado de hacker do Benfica não acredita que extradição para Portugal venha a acontecer

123

Extraditar Rui Pinho "seria impedir" a colaboração com as autoridades, defende William Bourdon. O advogado, entrevistado pelo DN, teme que Portugal queira recuperar todos os documentos.

O advogado francês tem-se dedicado a defender denunciantes, como Julian Assange e Eduard Snowden

AFP/Getty Images

William Bourdon não acredita que a extradição para Portugal do hacker Rui Pinho venha a acontecer. Em entrevista ao Diário de Notícias, o advogado francês lembrou que o português concordou em colaborar com as autoridades francesas e suíças no caso do Football Leaks e que”extraditá-lo seria impedir esta colaboração”.

Rui Pinho, que terá divulgado contratos do FC Porto e do Sporting no Football Leaks e desviado emails e demais documentos do Benfica, foi detido no dia 15 de janeiro, na Hungria. Numa carta enviada ao jornal Público pelos advogados, foi explicado que Pinto irá assumir-se como whistleblower (“delator”, numa tradução livre para português), estatuto previsto na legislação europeia que também foi assumido por Edward Snowden e Julian Assange, que Bourdon defendeu, quando os dois se viram envolvidos em casos semelhantes.

De acordo com o advogado francês, existem também “algumas administrações fiscais europeias”, nomeadamente a alemã, que esperam vir a colaborar com Pinho. “Tudo isto poderia permitir ao fisco de vários países recolher largas somas de dinheiro, multas, penalidades, tudo no interesse do contribuinte europeu. E, acrescento, não há dúvidas de que a administração fiscal portuguesa está também interessada”, afirmou.

Bourdon, que ajudou a fundar a The Signal Network, a empresa que ajuda na defesa de denunciantes que está a pagar os advogados do hacker em Portugal e na Hungria, onde se encontra em prisão domiciliária, também não acredita que a polícia portuguesa consiga recuperar os computadores de Pinho. É “absolutamente impossível”, defendeu Bourdon, explicando que existe “um princípio judicial”, o da especialidade, que diz “que as provas só podem ser recolhidas por Portugal se tiverem ligação com a queixa que levou à detenção”. Isto significa que, ainda que o pedido de extradição possa implicar alguma recolha de provas, “esses documentos só podem ser usados por Portugal” se estiveram ligados ao caso Doyen, ou seja, à queixa que está na base do mandado.

“Estamos preocupados que a polícia portuguesa queira recuperar todos os documentos. E com a utilização que poderia ser feita”

Sobre esta questão, Bourdon admitiu que tanto ele como o seu cliente estão preocupados “que a polícia portuguesa queira recuperar todos os documentos. E com a utilização que poderia ser feita desses documentos. Estamos preocupados que esses documentos não sirvam para as investigações que têm de ser feitas contra o mundo criminal que salta à vista dos Football Leaks — não só em Portugal mas crucialmente em Portugal. E que os documentos sejam apenas usados para atingir o meu cliente.”

Na mesma entrevista ao Diário de Notícias, o advogado francês confirmou que Rui Pinto tem recebido ameaças de morte “de quem tem sido ameaçado” e que “muitas pessoas do undergound tentaram identificá-lo”, “capturá-lo e atentar contra a sua integridade”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Justiça

Danos do divórcio e direito à indemnização

Nuno Cardoso Ribeiro
634

Hoje o processo judicial de divórcio não admite pedidos indemnizatórios sendo necessária uma acção cível e reviver factos e episódios que se prefere esquecer. Este regime todos os dias cria injustiças

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)