Justiça

“Hacker do Benfica” ficará em prisão domiciliária

1.105

O pirata informático português está acusado de pelo menos seis crimes e foi a tribunal esta sexta-feira, em Budapeste. O MP pede a sua extradição mas, por agora, Rui Pinto permanecerá na Hungria.

Rui Pinto, de 30 anos, terá sido a peça fundamental tanto no Football Leaks como no caso dos e-mails do Benfica

O hacker Rui Pinto, que está a ser acusado de divulgar informações sensíveis do mundo do futebol e não só, esteve perante um juiz húngaro na manhã desta sexta-feira, no tribunal de Budapeste, e ficou a saber que ficará em prisão domiciliária, segundo o Correio da Manhã.

O português terá sido a peça fundamental tanto no projeto Football Leaks como no caso dos e-mails do Benfica mas, segundo notícia do Jornal Económico, a sua detenção terá sido acelerada pelo Ministério Público (que pede a sua extradição) depois de Pinto ter divulgado dados relativos a vários processos judiciais ligados a Jorge Silva Carvalho. As informações sobre aquele que ficou conhecido como o “super-espião” vieram a público através do blogue “Mercado do Benfica” — que, segundo o mesmo jornal também estará associado a Pinto.

De acordo com o Jornal Económico, estas informações confidenciais foram divulgadas publicamente pelo hacker português há cerca de duas semanas e foi isso que acabou por apressar a detenção de Rui Pinto, por suspeitas de um crime de extorsão qualificada na forma tentada, dois crimes de acesso ilegítimo, uma ofensa a pessoa coletiva e dois outros crimes de violação de segredo. Existe ainda a possibilidade de o pirata informático poder vir a ser acusado formalmente de violação de segredo de Estado, ofensa punível com uma pena entre dois e oito anos de prisão (por causa da ligação de Silva Carvalho aos Serviços de Informação e Segurança portugueses). Esta medida de coação pode ser agravada, de acordo com a lei, no caso de o crime ser praticado em circunstâncias que facilitem a propagação com a ajuda de meios de comunicação social ou plataformas digitais.

Snowden, Assange e… Rui Pinto

Na quinta-feira, 17 de janeiro, o jornal Público noticiou que William Bourdon e Francisco Teixeira da Mota seriam os dois advogados de defesa de Rui Pinto, o português de 30 anos que nos últimos tempos revelou uma série de esquemas e negócios ilícitos desenvolvidos entre alguns dos maiores clubes do mundo, entre eles o Benfica (é o provável responsável pelo desencadear do processo e-toupeira).  Numa carta enviada ao jornal Público por Teixeira da Mota e Bourdon, Rui Pinto, já conhecido como o “hacker do Benfica” (ou do Porto, dependendo da perspetiva), confirma a sua identidade e as ligações à tal plataforma online que, desde 2015, tem divulgado informações confidenciais e comprometedoras — no total, estima-se que tenha propagado cerca de 70 milhões de dados desse género.

Depois da detenção de Rui Pinto, há três dias, desencadeou-se uma batalha legal que, apesar de ainda estar no início (pelo menos em relação ao envolvimento direto do hacker), já começa a intensificar-se. Segundo uma carta enviada ao jornal Público pelos advogados, Pinto irá assumir-se como whistleblower (“delator”, numa tradução livre para português), estatuto previsto na legislação europeia que também foi assumido por Edward Snowden e Julian Assange, quando os dois se viram envolvidos em casos semelhantes.

Aliás, William Bourdon ficou famoso por ter defendido tanto Assange como Snowden. O advogado francês tornou-se especialista neste tipo de casos que envolvem o estatuto de whistleblower  e até é membro da The Platform to Protect Whistleblowers in Africa, organização que se dedica à resolução deste tipo de situações.

Os advogados reforçaram ainda que vão recusar o pedido de extradição e sublinharam o paradoxo que quase sempre aparece associado a estes casos: para que a verdade de alguns crimes venha ao de cima é preciso que o próprio delator contorne os limites da lei.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt
Justiça

Danos do divórcio e direito à indemnização

Nuno Cardoso Ribeiro
565

Hoje o processo judicial de divórcio não admite pedidos indemnizatórios sendo necessária uma acção cível e reviver factos e episódios que se prefere esquecer. Este regime todos os dias cria injustiças

Justiça

Acabe-se com os tribunais administrativos, já!

João Luis Mota de Campos
595

Não é tolerável é manter em (des)funcionamento o actual sistema jurisdicional administrativo, que pode causar a alegria teórica de alguns mas é causador de um intenso prejuízo social e viola direitos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)