PSD

Alberto João Jardim diz que primeiro-ministro é o “adversário” da autonomia da Madeira

O presidente honorário do PSD/Madeira, Alberto João Jardim, apontou o primeiro-ministro como o "adversário" da autonomia e aconselhou os dirigentes sociais-democratas a "internacionalizarem" o tema.

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente honorário do PSD/Madeira, Alberto João Jardim, afirmou este sábado no congresso regional do partido que o primeiro-ministro, António Costa, é o “adversário” da autonomia e aconselhou os dirigentes sociais-democratas a “internacionalizarem” a questão.

“O nosso adversário é um indivíduo que foi número dois de José Sócrates e que se chama António Costa”, disse o ex-líder social-democrata na abertura do XVII Congresso do PSD/M, onde foi várias vezes aplaudido por cerca de 700 militantes que encheram o Centro de Congresso da Madeira, no Funchal. Alberto João Jardim sublinhou que o primeiro-ministro “não é estadista”, mas apenas “um homem do aparelho”, um “partidocrata”.

“Até deu para subverter o resultado das eleições e ele chegar a primeiro-ministro com alianças com pessoas que tentaram derrubar e evitar a democracia em Portugal só para poder sobreviver no partido dele”, afirmou, referindo-se ao acordo dos socialistas com o PCP e o Bloco de Esquerda para a formação de Governo.

Alberto João Jardim mostrou-se confiante na vitória do PSD nas eleições regionais de 22 setembro e, desde logo, pediu ao novo governo regional que internacionalize o problema da autonomia.

“Se nós continuarmos a insistir na luta pela autonomia e eles [as instituições governativas nacionais] continuarem a nos cortar as pernas, nós legalmente, com base na Constituição, devemos internacionalizar o problema e recorrer aos competentes órgãos internacionais”, declarou.

O ex-líder social-democrata e ex-presidente do Governo Regional da Madeira manifestou-se, por outro lado, disponível para colaborar com o partido nos próximos meses, antes das eleições, e alertou para a necessidade de “apresentar ao voto do eleitorado madeirense os melhores que houver em cada sítio, em cada freguesia, em cada concelho”.

Considerou ainda que as duas referências do PSD nos próximos meses devem ser a “unidade” e a “qualidade”, advertindo que “as listas não devem ter anticorpos que destruam esta imagem”.

Numa intervenção que durou cerca de uma hora, Alberto João Jardim classificou o governo da geringonça (PS com apoio do PCP e do BE) de “mentira”, sobretudo quando é apresentada como uma forma de estabilidade social.

“Neste momento, vivemos em instabilidade social. Temos neste momento greves, paralisações, o povo a ser prejudicado mais ainda do que no tempo do genocídio social que houve com o malfadado Plano de Ajustamento Económico e Financeiro”, realçou, vincando que a sua política da geringonça assenta na “incompetência” e num “plano claro para destruir a classe média portuguesa”.

O discurso de Alberto João Jardim assentou, de modo geral, em quatro reflexões: a autonomia, a Madeira que o PSD construiu, os objetivos para o futuro e o partido. No que toca à autonomia, defendeu que dela depende a “sobrevivência” dos madeirenses e que não pode ser entregue aos colonialistas, que é como classifica a aposição regional e o Governo central.

Do mesmo modo, disse que a Madeira é uma “obra de todos”, pelo que seria “suicídio” entregar a região à “mediocridade comprovada da esquerda”. Jardim defendeu a revisão da Constituição com vista a “acabar com o Estado unitário” e a obter mais autonomia e, por outro lado, considerou que a região deve reforçar o seu posicionamento na União Europeia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)