Cristiano Ronaldo terá pedido para evitar a multidão que previsivelmente se deverá reunir à porta da Audiência Providencial de Madrid, esta terça-feira. Alegando questões de segurança, escreve o El Mundo, o internacional português pede para entrar diretamente pela “garagem do edifício” onde vai ser julgado por irregularidades fiscais.

Num requerimento a que o diário espanhol teve acesso, os representantes de Cristiano Ronaldo pedem para que lhe seja concedido o “acesso ao edifício através da garagem” do tribunal e ainda que sejam adotadas outras medidas “que se considerem oportunas” para “garantir a segurança” do internacional português na deslocação ao tribunal.

O requerimento reconhece a “excecionalidade” do pedido, mas fundamenta-o na “grande notoriedade” do jogador da Juventus e num “certo risco de que o acesso normal ao edifício não se possa realizar em condições normais”.

Já se sabe que, quando se sentar no banco dos réus, Cristiano Ronaldo vai declarar-se culpado de quatro crimes fiscais, pelos quais terá de desembolsar uma quantia à volta dos 18,8 milhões de euros.

Em junho do ano passado, quando aceitou declarar-se culpado dos quatro crimes fiscais, Cristiano Ronaldo também foi condenado a uma pena suspensa de dois anos de prisão.

Durante o julgamento, Cristiano Ronaldo alegou não estar a par das manobras financeiras de que as autoridades espanholas o acusavam. “Não entendo muito disto. Tenho apenas o sexto ano de escolaridade e a única coisa que sei fazer bem é jogar futebol. Se os meus assessores me dizem ‘Cris, não há problema’, eu acredito neles”, disse Cristiano Ronaldo perante a juíza, em 5 de agosto de 2017.