As autoridades britânicas decidiram esta quinta-feira encerrar definitivamente as buscas para encontrar o avião privado que desapareceu na noite de domingo dos radares no Canal da Mancha e transportava o antigo avançado argentino do FC Nantes, Emiliano Sala. Em comunicado, a polícia de Guernsey referiu que “a possibilidade de sobrevivência é, nesta altura, extremamente remota”. 

A equipa reuniu-se para rever as buscas e a operação de resgate que tem sido levada desde que o avião desapareceu na noite de domingo. Apesar de todos os esforços (…) e tendo examinado os dados do telemóvel e imagens de satélite, não conseguimos detetar qualquer vestígio do avião, do piloto ou do passageiro”, explicou a polícia em comunicado.

O jogador de 28 anos viajava de Nantes, em França, para Cardiff, no País de Gales, onde iria começar a jogar pelo seu novo clube. Desde domingo que as autoridades procuravam a aeronave, com recurso a vários aviões e barcos salva-vidas. “Foram quase 24 horas de procura contínua, com 80 horas no total de tempo de voo em três aviões e cinco helicópteros. Dois barcos salva-vidas também estiveram envolvidos, bem como a assistência de vários navios de passagem”, referiu a polícia.

Ainda esta quinta-feira tinha sido divulgada a informação de que a polícia estava a investigar possíveis sinais de fumo numa ilha perto do Canal da Mancha. No entanto, e depois de uma busca a pé pela ilha de Burhou, “não foi encontrado qualquer vestígio do avião ou dos passageiros”.

Um dia antes, na quarta-feira, a polícia de Guernsey tinha centrado as buscas em quatro possibilidades: 1) o avião aterrou em qualquer lado mas não estabeleceu contacto; 2) o avião caiu na água e os ocupantes foram apanhados por um navio e não estabeleceram contacto; 3) o avião caiu na água e os ocupantes conseguiram chegar ao bote salva-vidas que estava a bordo; 4) o avião separou-se quando entrou em contacto com a água e deixou os ocupantes no mar. As autoridades revelaram até que a possibilidade a que estariam a dar mais prioridade seria a de os ocupantes do avião terem conseguido chegar ao bote salva-vidas. No entanto, explica a polícia, as hipóteses são mínimas.

Revimos toda a informação que nos foi disponibilizada, bem como todo o equipamento que estava disponível a bordo, e tomamos a difícil decisão de terminar as buscas. A possibilidade de sobrevivência é, nesta altura, extremamente remota. Os familiares dos dois ocupantes já foram informados e os meus pensamentos estão com eles na altura mais difícil das suas vidas”.

O futebolista argentino que se afirmou nos franceses do FC Nantes, onde chegou a ser treinado pelo português Sérgio Conceição, deslocava-se num avião privado para Cardiff para se juntar aos novos colegas de equipa. O avião deveria ter chegado ao destino às 22h locais de domingo, mas perto de duas horas antes — cerca de 45 minutos depois de levantar voo — desapareceu dos radares, quando estava na zona do Canal da Mancha, e nunca mais estabeleceu contacto.