A polícia de choque retirou os cerca de dois mil taxistas que desde este domingo se instalaram em protesto no Paseo de la Castellana, uma das principais artérias de Madrid.

A greve dos taxistas espanhóis já dura desde 21 de janeiro, mas este domingo tomou novas proporções quando os taxistas madrilenos decidiram mudar a concentração de Ifema (nos arredores de Madrid) para o Paseo de la Castellana, uma das principais avenidas da capital espanhola.

De acordo com a jornalista Lucia Franco, do El País, o último táxi foi retirado do Paseo de la Castellana às 10h20 locais (9h20 de Lisboa).

O Paseo de la Castellana é um ponto estratégico da cidade uma vez que, ao longo dos seu mais de 6 quilómetros, divide o centro de Madrid de Norte a Sul.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Além dos protestos mais visíveis, há também sete taxistas que estão em greve de fome — chegaram a ser pelo menos 15, antes de haver desistências — há já quatro dias.