Rádio Observador

Tive uma Ideia

My City. As cidades vivem nesta app e Braga foi a primeira a recebê-la

336

A My City é uma plataforma que dá a oportunidade a locais e turistas de saberem tudo o que se passa na cidade numa só app e em tempo real. Braga foi a primeira cidade a receber o projeto.

A My City foi lançada em Braga em julho do ano passado, mas já há outras cidades nos planos

My City / One Pixel at a Time

Horário dos transportes em tempo real, alojamento, roteiros, farmácias, eventos na cidade e até avisos da Proteção Civil. Encontrar uma aplicação para cada um destes aspetos, que ajudam a facilitar o dia-a-dia, não é difícil nos dias que correm. Mas, e se houvesse uma só app que juntasse tudo isto? Em Braga já existe. Chama-se My City e consiste numa plataforma que permite aos moradores e turistas verem tudo o que existe e está em funcionamento na cidade.

A plataforma chegou à cidade há seis meses e funciona através da incorporação de beacons – pequenos dispositivos Buetooth de baixa energia que transmitem sinais codificados – que foram instalados na sinalética presente na localidade. Por outras palavras, para que os utilizadores tenham acesso à informação atualizada e recebam alertas e notificações sobre o que mais lhes interessa na cidade, apenas precisam de ter o Bluetooth ou os dados móveis ligados (para assim aceder à informação dos mais de 300 beacons espalhados). Se não tiverem Internet, podem aceder na mesma à informação, ainda que possa não estar 100% atualizada.

A ideia da My City partiu da mente e do trabalho de Jorge Santos e Cláudia Calado, dois administradores da Extradireccional, uma empresa que pretende dinamizar toda a sinalética direcional em vários municípios do país. Neste momento, é Teresa Ferreira quem faz a gestão direta da aplicação, contando com uma equipa externa que trata do software.Começamos a perceber que a sinalética tinha de ser modificada, que era um pensamento ainda muito ‘old school‘ [da velha guarda] e quisemos criar uma aplicação que pudesse funcionar ao mesmo tempo que a sinalética era instalada”, explicou Teresa ao Observador.

A app permite que o utilizador aceda a informação sobre a cidade de uma forma personalizada, uma vez que pode escolher as áreas de interesse e, através da localização do utilizador, o que existe de mais próximo. “Esse é o lado positivo de quem se regista na app: a seleção de interesses. Alguém que tenha interesse na saúde acaba por receber mais informações sobre eventos nessa área, por exemplo. Apesar de receber outros alertas, as notificações enviadas para o telemóvel podem ser só sobre isso”, explicou a gestora do projeto.

O objetivo, acrescenta Teresa, passou por facilitar um funcionamento inteligente entre cidade e cidadão: “A cidade é inteligente e a sinalética também tem de o ser e tem de estar relacionada com os seus cidadãos, para que se crie um funcionamento pacífico entre as diversas entidades”.

Ao entrar na My City, a aplicação deverá conseguir detetar se o utilizador é um turista ou um residente, não sendo obrigatório fazer um registo. Se o fizer, pode personalizar as notificações e alertas que recebe, de acordo com os seus interesses. No caso dos turistas, as informações são mais direcionadas para tudo o que sejam eventos, roteiros e espaços a visitar na cidade, bem como alertas disponíveis em quatro línguas: português, inglês, francês e espanhol. Já no caso dos residentes, a informação acedida está mais relacionada com aspetos importantes do quotidiano, como o horário dos transportes, farmácias de serviço, alertas da Proteção Civil, avisos sobre incêndios ou acidentes e até as ruas que estão cortadas. Tudo isto em tempo real.

A app da My City permite aceder a áreas da cidade como roteiros, alojamento e alimentação

A app ainda está na fase piloto, mas estamos a desenvolver cada vez mais o projeto, para que tenha cada vez mais informações. Desde alojamento a alimentação, a cultura, natureza, roteiros, eventos, hotéis, museus, reservas de espaços, tudo o que faça a vida na cidade”, explicou Teresa Ferreira ao Observador.

Braga foi a primeira cidade escolhida para receber o projeto por ser “uma das cidades mais jovens do país” e onde estão vários estudantes que “estão preparados, sem dúvida, para receber este tipo de novidade”, explicou Teresa, acrescentando ainda a vontade da Câmara Municipal de Braga em trabalhar com a empresa e ser a principal parceira do projeto. O investimento, conta, partiu da Extradireccional, ainda que não tenham sido revelado valores. Entre outubro e dezembro a app conseguiu chegar a mais de 1.000 utilizadores.

O futuro? Cidades inteligentes e sustentáveis

“É um mundo que muda todos os dias. As cidades inteligentes estão constantemente a modificar a forma como são vistas e aquilo que necessitam para funcionar”. É assim que Teresa descreve a experiência de trabalhar com um projeto que tenta aproveitar o melhor da inteligência da cidade e, ao mesmo tempo, fornecer informação útil aos que fazem parte dela. E porque “as cidades inteligentes são, sem dúvida, o futuro”, a app vai chegar a outras cidades portuguesas. “Acho que somos, sem dúvida, um país cheio de capacidades para o fazer. Temos municípios super jovens e a juventude é a base”, referiu.

A sustentabilidade é também um pilar cada vez mais importante no projeto e, apesar de a empresa ainda estar a trabalhar nesse sentido, Teresa explica que a própria forma de funcionamento da app já é sustentável por si própria. “Acabamos por eliminar muito papel. O único papel que circula na cidade da nossa parte são os flyers no posto de turismo”.

O nosso objetivo é que tudo isto funcione sempre com base na sustentabilidade e as cidades inteligentes, com base numa vida e num conhecimento sustentável, precisam de se desenvolver tecnologicamente sem nunca perder aquela que é a sua realidade, para se manterem fiéis àquilo que são e ao que as torna únicas”, referiu Teresa ao Observador.

Para que a informação esteja sempre atualizada, a gestão da app passa por dois tipos de contactos: um determinado estabelecimento ou organização de evento pode entrar em contacto com os responsáveis da My City e, assim, ter a sua informação na aplicação, ou então a organização faz a pesquisa “para lá de diária de tudo o que acontece na cidade”. “Já me aconteceu, por exemplo, visitar um café em Braga e sabia que eles não estavam ainda na nossa aplicação. Falamos, eles enviaram-nos as informações e passaram a fazer parte da app”, explicou.

Como o projeto ainda está numa fase piloto, os responsáveis vão ouvindo o feedback que recebem dos utilizadores e melhorando o serviço da app, bem como acrescentando a informação nova que vai surgindo. Até porque, o objetivo é também tornar a My City cada vez mais presente na vida de moradores e turistas: “Queremos tornar a aplicação ainda mais necessária, que faça sentido e que, ao longo do dia, facilite o processo de todo o quotidiano e que seja uma necessidade”.

*Texto editado por Ana Pimentel
*Tive uma ideia! é uma rubrica do Observador destinada a novos negócios com ADN português

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)