Rádio Observador

Crime

Da cumplicidade com a filha às fotos com o marido e com o genro que a terá assassinado: o perfil da sogra, a 1ª vítima de Pedro Henriques

493

Perfil de Facebook de Helena Cabrita, 60 anos, mostra grande cumplicidade com a filha. Pedro Henriques, ex-companheiro da filha e alegado assassino, surge numa foto publicada há 4 anos.

Helena Cabrita, de 60 anos, terá sido assassinada pelo ex-companheiro da filha, em sua casa. Fonte: Facebook

Helena Cabrita, a mulher alegadamente assassinada pelo ex-genro esta segunda-feira, tinha no seu perfil no facebook uma foto onde aparece ao lado do marido, da filha e do suposto homicida. Os quatro revelam expressões de tranquilidade, nesta imagem captada no Buddha Eden, no Bombarral, e publicada a 30 de Setembro de 2014, quatro anos e quatro meses antes desta tragédia.

Da esquerda para a direita: Helena Cabrita, a primeira vítima; o marido; a filha, Sandra; e o ex-genro e alegado assassino, Pedro Henriques

De resto, o perfil da primeira vítima no Facebook revela uma relação próxima com a filha, e mãe da bebé de dois anos que também foi assassinada. “Cumplicidade entre mãe e filha é encontrar detalhes que também são seus”, comentou Sandra Cabrita nesta foto de capa do perfil da mãe, a 30 de Outubro de 2015.

Helena Cabrita, de 60 anos, com a filha, Sandra. Fonte: Facebook

Na grande maioria das fotos publicadas a mulher surge entre afetos, junto do marido ou da filha, mãe da bebé que também terá sido assassinada por Pedro Henriques. Além dos comentários de amigas, também a filha elogiava a mãe com frequência: “Mãe estás linda, linda, linda”.

Já no perfil de Facebook de Sandra Cabrita, uma fotografia de 3 de Setembro de 2017 mostra a mãe com a filha, Lara, ambas de biquíni e num momento de grande cumplicidade. “Obrigada pelo biquíni igual ao da princesa. Amei. Só tu mamusca”, escreve Sandra. A mãe, Helena, comentou depois: “Quando se faz por gosto nada custa.”

Sandra Cabrita com a filha, que terá sido assassinada pelo seu ex-companheiro. Fonte: Facebook

Além de várias fotos com o marido em férias, as publicações de Helena Cabrita indiciam que terá estudado numa escola na Alemanha e seria adepta do FC Porto. A última publicação púbica de Helena Cabrita foi feita a 29 de Dezembro de 2017.

Um dos sobrinhos da vítima exprimiu a sua ira no facebook em relação ao alegado assassino, apelando à justiça divina: “Que Deus receba minha tia Lena e a pequena Lara. Amo vocês”.

Helena Cabrita terá sido assassinada pelo ex-companheiro da filha à facada, no interior da residência em Cruz de Pau, no concelho do Seixal. A mulher apresentava ferimentos na zona do peito e do pescoço. Esta terça de manhã foi encontrado o corpo da neta de Helena Cabrita, Lara, 2 anos, na bagageira do carro. O suspeito foi encontrado morto poucas horas depois em Castanheira de Pêra, no distrito de Leiria, segundo confirmou ao Observador uma fonte da Polícia Judiciária.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)