O secretário-geral do PCP não tem dúvidas de que os privados estão concentrados na destruição do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Na sessão de abertura das jornadas parlamentares do partido, em Braga, Jerónimo de Sousa quis deixar claro quem são, para os comunistas, os principais responsáveis. “Está em curso uma poderosa operação contra o SNS. Alimentados em grande parte por recursos públicos, os grupos privados de saúde querem continuar a expandir o seu negócio e a aumentar os seus lucros à custa da degradação do SNS e da captura dos seus profissionais e utentes”.

E para esta constatação não parecer demasiado vaga ou genérica, Jerónimo de Sousa argumentou que esta “poderosa operação” conheceu “um novo desenvolvimento com a chantagem lançada por alguns dos principais grupos privados da área da saúde contra a ADSE“. Já este domingo, o secretário-geral do PCP tinha pedido ao Governo para não ceder àquilo que diz ser uma chantagem.

PCP desafia Governo a não ceder à “chantagem” de privados e a reforçar SNS

O líder do PCP não deixou de destacar o facto de, tanto PSD como CDS, estarem a utilizar a degradação dos serviços públicos do país como arma de arremesso político. “Como soam hipócritas os argumentos e denúncias do PSD e CDS hoje em relação à situação dos serviços públicos! Como soam farisaicas as pomposas proclamações em defesa dos trabalhadores da Administração Pública por PSD e CDS!”.

Num discurso longo mas com pouca novidade, Jerónimo de Sousa lembrou que os comunistas sempre estiveram do lado da defesa do SNS. Estrategicamente, fez questão de provar isso e recuperou algumas das exigências que o partido já reclamou no passado mas que nunca avançaram por culpa “da política de direita”, onde inclui o PS. E propôs a adoção imediata de medidas no setor da Saúde como forma de contra-ataque. “Ponha-se fim à transferência de responsabilidades do Estado para os grupos privados, nomeadamente com o fim das PPP, incluindo a do Hospital de Braga”, sugeriu. Um apelo que ganha especial importância por ser feito, precisamente, no distrito bracarense.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

PCP alinha discurso e define alvos

No arranque das jornadas parlamentares do PCP, o partido afinou o discurso. João Oliveira, João Ferreira e Jerónimo de Sousa foram recorrendo à mesma tónica discursiva e começaram a palmilhar terreno rumo às eleições de 2019. Há um objetivo claro: colar o PS ao PSD e ao CDS, os partidos que preconizam “uma política de direita em Portugal”.

João Ferreira é o cabeça-de-lista do partido às eleições europeias. O seu discurso foi, por isso, o mais contundente. Entre ataques diretos a PS, PSD e CDS e críticas à submissão destes partidos a Bruxelas, o eurodeputado comunista fez questão de distribuir golpes por todos os adversários. Até ao Bloco de Esquerda, que tendencialmente fica de fora neste tiro ao alvo, teve direito a menção. No entanto, era para o primeiro-ministro que estava reservada a maior crítica: “António Costa tem insistido que o PS é o partido que mais defende a União Europeia em Portugal. Acontece que aquilo de que os trabalhadores, o povo e o país precisam é de quem os defenda a eles perante as imposições e as arbitrariedades de quem manda na União Europeia“.

Algo que para os comunistas não é contraditório com o apoio que deram ao Governo ao longo desta legislatura. A explicação que encontram para justificar ataques e apoios a este Executivo é aquela que já vinha sendo ensaiada ao longo do último ano: o peso do PCP permitiu incluir medidas positivas na gestão governativa do país, mas não mudou a génese do PS, que recorreu ao PSD e ao CDS sempre que quis fazer vingar a referida “política de direita”. Só não se foi mais longe nas políticas defendidas pelos comunistas, argumentou Jerónimo de Sousa, devido “às opções do PS e do seu governo minoritário e ao papel que PSD e CDS assumiram de suporte ao Governo do PS”.

É também por isso que o PCP não valoriza a recente remodelação do Governo. Numa nota divulgada ao final da manhã desta segunda-feira, os comunistas escrevem que, “com ou sem remodelação, o que verdadeiramente importa é que a política do Governo responda aos problemas que estão colocados ao país — resposta que continua, por opção do Governo e dos seus compromissos com o grande capital, com as orientações da União Europeia e do euro, a ser adiada em áreas decisivas”.

Já João Oliveira, com uma intervenção bem mais curta que a dos seus colegas, adiantou que estas jornadas parlamentares não vão servir para “fazer o balanço” desta legislatura. “O PCP não desperdiçará nenhuma oportunidade para levar mais longe a resposta ao problemas dos trabalhadores”, avisou.

As jornadas parlamentares do PCP são as últimas desta legislatura e vão decorrer, entre segunda e terça-feira, no distrito de Braga.