A justiça japonesa ordenou esta quarta-feira o pagamento de uma indemnização equivalente a 3,4 milhões de euros a residentes forçados a abandonar as suas casas no nordeste do Japão após o acidente nuclear de Fukushima, em 2011.

O Governo e a companhia de eletricidade Tokyo Electric Power (Tepco) deverão pagar um total de 419,6 milhões de ienes a 152 residentes, disse à agência France-Press (AFP) um porta-voz do tribunal distrital de Yokohama, nos subúrbios de Tóquio.

É já a quinta vez que uma decisão judicial atribui ao Governo japonês parte da responsabilidade pelo desastre nuclear.

De acordo com o canal público NHK, o juiz Ken Nakadaira considerou que o acidente poderia ter sido evitado se o Governo e a Tepco tivessem “tomado medidas” em resposta à ameaça de um tsunami.

No dia 11 de março de 2011, um terramoto de magnitude 9 na escala aberta de Ritcher e o posterior tsunami arrasaram a região de Tohoku e causaram na central de Fukushima Daiichi o pior acidente nuclear desde Chernobil (Ucrânia), em 1986.

A central de Tokai Daini sofreu um apagão automático de emergência depois do tsunami que causou mais de 18 mil mortos e desaparecidos.