Incêndios

Incêndio de grandes dimensões que destruiu edifício no centro do Funchal está em fase de rescaldo

O edifício estava degradado e servia de casa para pessoas sem-abrigo. Duas pessoas foram resgatadas, mas não há registo de feridos. Por precaução, os bombeiros vão manter-se no local durante a noite.

JOÃO HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

O incêndio de grandes dimensões, que destruiu ao final da tarde desta sexta-feira um antigo edifício da Insular de Moinhos, no centro do Funchal, na Madeira, encontra-se em fase de rescaldo. Ainda assim, os bombeiros vão manter-se no local durante toda a noite, disse o vice-presidente da câmara, Miguel Gouveia.

O objetivo é combater eventuais reacendimentos que possam ocorrer”, disse o vereador da Câmara Municipal do Funchal, sublinhando que a área à volta do edifício vai ser interditada à circulação enquanto decorre uma peritagem à estrutura, abarcando o largo do Pelourinho e a travessa da Malta.

Os bombeiros tiveram ainda que resgatar “duas pessoas do edifício e não há feridos a registar até ao momento”, confirmou a autarquia em comunicado. Por sua vez, o vereador responsável pela Proteção Civil, João Pedro Vieira, referiu que do edifício os bombeiros retiraram uma pessoa que foi encaminhada para o Hospital Central do Funchal e uma outra que, segundo testemunhas, saiu pelos seus próprios meios.

O edifício, perto do Mercado dos Labradores, estava degradado e servia de casa para pessoas sem-abrigo. Antes disso, era uma fábrica de moagem cereais, tendo sido adquirido posteriormente pela empresa AFA para a construção de uma unidade hoteleira. Segundo noticia o DN Madeira, o prédio ocupa o quarteirão entre a Travessa da Malta e o Largo do Pelourinho, na baixa da cidade. De acordo com as testemunhas, o fogo alastrou aos vários pisos daquele edifício.

Na altura em que deflagrou o incêndio, estariam duas pessoas dentro do edifício, avança a SIC Noticias. Apesar de as causas do acidente serem, para já desconhecidas, uma pessoa foi detida e está neste momento a ser interrogada.

O vereador com o pelouro da Proteção Civil, João Pedro Vieira, adiantou aos jornalistas, no local, que o comandante dos Sapadores do Funchal considera que o fogo está “circunscrito ao prédio devoluto”, aproveitando para afirmar que o proprietário foi alertado várias vezes para atuar no sentido de impedir a entrada de pessoas naquele imóvel.

A Câmara Municipal do Funchal também divulgou um comunicado a apelar à população para evitar circular esta noite na baixa da cidade, sobretudo na zona onde deflagra o incêndio.

View this post on Instagram

#funchal #funchalcity

A post shared by Carol De Abreu (@caroledeabreu) on

As imagens dos vídeos que começam a ser partilhados nas redes sociais mostram a grande dimensão dos incêndios e que as chamas estão ainda a consumir os vários pisos do prédio. O incêndio teve a intervenção de 63 bombeiros de duas corporações de bombeiros do Funchal, os Sapadores e os Voluntários Madeirenses, acompanhadas por 24 viaturas, vários agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP), assistidas por quatro viaturas autotanques e duas ambulâncias.

Segundo a agência Lusa, nas imediações do local existem habitações e estabelecimentos comerciais.

A redação do Diário de Notícias da Madeira, situada junto ao edifício, foi evacuada por questões de segurança, avança o mesmo jornal.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)