Cinema

Morreu Stanley Donen, realizador de “Serenata à Chuva”

O realizador norte-americano Stanley Donen, que dirigiu "Serenata à Chuva" e outros clássicos do chamado "período de ouro" do cinema de Hollywood, morreu aos 94 anos, anunciou um dos filhos.

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O realizador norte-americano Stanley Donen, que dirigiu “Serenata à Chuva” e outros clássicos do chamado “período de ouro” do cinema de Hollywood, morreu este sábado, aos 94 anos, anunciou um dos filhos na rede social Twitter.

Entre outros filmes, realizou o musical “Singin’in the Rain” (“Serenata à Chuva”), em 1952, com Gene Kelly, que marcou a cultura popular da época, nos Estados Unidos.

Também assinou outros filmes de êxito como “Um dia em Nova Iorque”, o seu primeiro filme, em 1949, igualmente com Kelly e Frank Sinatra, “Sete Noivas para Sete Irmãos” (1954), e “Cinderela em Paris” (1957), com Fred Astaire e Audrey Hepburn.

[o trailer de “Serenata à Chuva”:]

Nascido em Columbia, na Carolina do Sul, Estados Unidos, em 1924, Donen também foi bailarino e coreógrafo, mas em Hollywood acabaria por lançar um estilo quando o som entrou no cinema, através da presença da dança e da música, criando uma obra que lhe granjeou um óscar honorário em 1977.

O crítico de cinema do jornal Chicago Tribune, Michael Phillips, disse que o realizador foi “um enorme talento, frequentemente negligenciado”.

Stanley Donen conheceu Gene Kelly na Broadway, onde trabalhou como coreógrafo, e viriam a realizar filmes em conjunto, mas a paixão pelo cinema tinha começado muito antes, quando viu Fred Astaire a dançar.

[o trailer de “Charada”, de 1963:]

Numa entrevista à revista Vanity Fair, em 2013, disse: “Ver Fred Astaire num filme mudou a minha vida. Parecia tudo tão maravilhoso, e a minha vida não era maravilhosa. A alegria de dançar ao som da música! E Ginger Rogers!”.

Sobre o segredo de realizar filmes com sucesso, confessou, um dia, que era conseguir os melhores argumentistas, compositores e atores, e, quando o filme começava, “ficar fora do caminho deles”.

Donen foi casado cinco vezes e teve um caso famoso com a atriz Elizabeth Taylor.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela
185

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)