Mobile World Congress

MWC dia 2. Trump pode pedir o 6G, mas esta feira quer mostrar que o 5G é o futuro

O Observador esteve no 2º dia do MWC, a maior feira de telemóveis do mundo. Vimos uma feira virada para o futuro do 5G, além de telemóveis em cortiça e relógios smartphones com ecrãs dobráveis.

O smartphone relógio Nubia Alpha é uma das novidade do MWC 2019. O evento está a decorrer de 25 a 28 de fevereiro, em Barcelona

MANUEL PESTANA MACHADO/OBSERVADOR

“Quero a tecnologia do 5G e até o do 6G o mais rapidamente possível nos EUA. É muito mais poderosa, rápida e inteligente do que a que temos atualmente.” As palavras são de Donald Trump, escritas no Twitter a 21 de Fevereiro, numa altura em que a China é líder nas inovações de rede e os Estados Unidos se distanciam. Problema? A tecnologia para o 6G nem sequer existe. Quanto ao 5G? Existe, sim, e é sobre ela que estão viradas todas as atenções das marcas e utilizadores em Barcelona, no segundo dia da maior feira de smartphones e tecnologia móvel do mundo, o Mobile World Congress (MWC).

O MWC começou esta segunda-feira e desde domingo que o Observador está em Barcelona para acompanhar todas as novidades. Esta terça-feira, o foco está no futuro das infraestruturas de rede 5G que vão permitir fazer cirurgias à distância com braços robôs, por exemplo.

Há mais de 100 mil participantes e duas mil empresas espalhados pelo Fira, o centro de congressos de Barcelona. Algumas das principais marcas tecnológicas, como a Microsoft, a Huawei, a Xiaomi, a LG ou a Nokia já apresentaram novos óculos de realidade aumentada, smartphones que se dobram e telemóveis com cinco lentes fotográficas traseiras (que já experimentámos).

Já vimos smartphones dobráveis, outro com dois ecrãs e agora experimentámos um que é dobrável e também é um relógio

A Huawei e a Samsung podem estar a marcar a edição de 2019 do MWC com os ecrãs dobráveis do Mate X e do Fold. Contudo, a chinesa Nubia também está a cativar as pessoas presentes neste evento que passam pelo primeiro pavilhão com o Nubia Alpha, um telemóvel que é um relógio com ecrã dobrável.

O aparelho é mais semelhante a um gadget dos filmes do 007 do que às inovações que por aqui se podem ver. É um pouco pesado, tem uma câmara frontal, a pulseira é em metal e o ecrã tátil dobrável, apesar de ser tátil, tem qualidade semelhante à dos primeiros smartphones de 2009.

[Veja a fotogaleria com as imagens do relógia telemóvel da Nubia]

Mesmo assim, o Nubia Alpha cativa. Nem a bateria de apenas 500 miliampéres, que pode durar “cerca de um a dois dias”, ou o sistema operativo da Nubia com poucas funcionalidades — o teclado para mensagens é alfanumérico, como nos antigos telemóveis — parecem desinteressar quem por ali passa. Para utilizar este smartphone relógio para fazer o que um telemóvel deve fazer, que é como quem diz chamadas, é preciso utilizar auriculares Bluetooth.

O Nubia Alpha parece ser a solução para quem não quer um smartwatch e, segundo a empresa, está pronto a ser comercializado. Mesmo depois de ler as características quer comprar um? É possível ter de esperar, quando for lançado, à semelhança dos outros dispositivos da marca, só vai estar disponível na China. Depois de mexermos neste equipamento, o que ficou foi a memória de mais um dos gadgets mobile elaborados que o MWC já é perito em mostrar.

A cortiça portuguesa da Iki Mobile continua no MWC

À semelhança da edição de 2018, a portuguesa Iki Mobile, fundada por Tito Cardoso, presidente executivo da empresa, está nesta feira com os seus smartphones cobertos a cortiça. Nesta edição está a mostrar os modelos BlessPlus, Bless, GO e BlessClassic. Entre as novidades, está a maior memória interna dos dispositivos Bless Plus e uma caixa feita inteiramente em cortiça para vender os telemóveis que pode ser reutilizada. Segundo a empresa, fica mais barata, quando comprada em grandes volumes, do que caixas em cartão.

Bruno Cardoso, irmão de Tito Cardoso e um responsável de qualidade na Iki Modelo, afirmou ao Observador que a aposta na cortiça continua a ser a imagem de marca da empresa. “Queremos dar mais ao cliente”, disse em relação a esta nova caixa que apresentam no MWC.

Até o Facebook tem redes 5G

Num dos stands do MWC é possível ver, a verde, que países já estão a lançar redes 5G. Portugal não é um deles.

O Facebook também aproveitou o MWC para anunciar apostas no 5G ao lançar esta nova tecnologia de rede em Alameda, na Califórnia. A operadora americana Common Networks, em parceria com o Facebook, está a utilizar a tecnologia da empresa fundada por Mark Zuckerberg para a infraestrutura da rede que permite aceder à Internet a ultra velocidade. O objetivo é que os habitantes deste local utilizem esta rede sem fios em vez da rede tradicional já implementada por ser mais rápida.

Esta parceria foi apresentada no MWC, em Barcelona, como revelou ao pormenor o CNET. Além disso, a rede social anunciou também uma parceria com a operadora espanhola Telefónica expandir o acesso à internet na américa latina. Segundo Dan Rabinovitsj, vice presidente de conectividade no Facebook, esta parceria vai permitir reduzir a “divisão digital” e vai oferecer “conectividade eficiente e de alta-qualidade a zonas rurais”. O programa chama-se Todos Peru.

Veja também o principal do dia zero e do primeiro dia do MWC para ficar a par de todas as novidades que estamos aqui a ver.

*O Observador está no Mobile World Congress a convite da Huawei Portugal.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)