Rádio Observador

Madrid

Galerias portuguesas no festival de arte contemporânea ARCOmadrid

O Peru como país convidado especial e a galeria Lehmann + Silva, do Porto, estreia na feira. A diretora do ARCOmadrid salienta que "A feira está num momento muito bom em qualidade e conteúdos".

Chema Moya/EPA

A Feira Internacional de Arte Contemporânea ARCOmadrid, começa esta quarta-feira e decorre até domingo com a presença de 13 galerias de arte portuguesas e este ano tem o Peru como país convidado.

Nesta edição, apresentará globalmente 203 galerias de arte de 31 países, com uma nova direção, nas mãos de Maribel López, e ainda codirigida, em transição e pela última vez, por Carlos Urroz, que a liderou na última década.

Numa conferência de imprensa realizada em Lisboa, na última semana, com a presença de ambos, Maribel López disse que “as mudanças serão de pormenor, de pequenos melhoramentos, porque a transição está a ser preparada há algum tempo, e será suave”.

“É um projeto a manter. Estamos a trabalhar juntos há sete anos e muitas das mudanças, entretanto, feitas foram consensuais. Não há nada que deva ser mudado radicalmente. A feira está num momento muito bom em qualidade e conteúdos”, sustentou Maribel López aos jornalistas, em Lisboa.

A responsável adiantou que, este ano, haverá melhoramentos na arquitetura interior da feira, com mais espaços para descanso, e nas condições para os expositores das galerias. Na edição de 2019 da ARCOmadrid, a representação portuguesa estende-se desde o programa geral, com dez galerias, o programa Opening com duas, e o Diálogos com uma, além da participação de curadores e diretores de museus nos Encontros Profissionais.

De um total de 13 galerias, no programa geral estarão, de Lisboa, a 3+1 Arte Contemporânea, Bruno Múrias, Cristina Guerra Contemporary Art, Filomena Soares, Madragoa, Monitor, Pedro Cera e Vera Cortês e, do Porto, duas, Nuno Centeno e Quadrado Azul.

Na página de Twitter, ARCO partilha o excerto da montagem da feira.

No programa Opening, comissariado por Tiago de Abreu Pinto e Ilaria Gianni, vão participar Francisco Fino e a Lehmann + Silva, proveniente do Porto, enquanto no programa Diálogos, estará presente a galeria Miguel Nabinho, de Lisboa. Nos Encontros Profissionais vão participar, entre outros curadores e diretores de museus, Pedro Gadanho, Sérgio Mah, João Mourão, Penelope Curtis, João Silvério, Rita Fabiana, João Ribas e João Laia.

Aos jornalistas, Vera Cortês, que volta a estar no comité organizador da ARCOmadrid, disse que “é importante para Portugal estar presente” naquele certame dedicado à arte contemporânea.

É a feira de arte contemporânea com mais galerias portuguesas, e é o mercado mais próximo de Portugal”, salientou, sobre a importância deste “ponto de encontro” entre artistas, galeristas, colecionadores, museus e outras instituições culturais.

Questionada pela agência Lusa sobre as novidades na presença portuguesa, Vera Cortês indicou que a galeria Lehmann + Silva, proveniente do Porto, será uma estreante, e a galeria Miguel Nabinho estará de regresso.

Na 38.ª Feira Internacional de Arte Contemporânea – ARCOmadrid, o Peru, como país convidado especial, será alvo de uma programação com diversas iniciativas nos museus e centros de arte da capital espanhola, ao longo do período da feira.

Dos 70% da participação internacional, 29% serão dedicados a artistas da América Latina, segundo a organização, com 40 galerias de 12 países da região. O certame irá apresentar 43 novas galerias, entre as quais Meyer Riegger, Rodeo, Timothy Taylor e Edward Tyler Nahem.

A representação do Peru na ARCOmadrid será feita com 23 artistas de 15 galerias, com a curadoria geral de Sharon Lerner, do Museu de Arte de Lima, que irá apresentar criadores como Fernando Bryce, Teresa Burga, Sandra Gamarra, Miguel Aguirre, Antonio Páucar, Herbert Rodríguez, Elena Damiani, Ximena Garrido-Lecca, José Vera Matos, Carlos Runcie Tanaka e Rita Ponce de León.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)