Rádio Observador

Autarquias

Governo apresentou aos municípios total de 90 milhões de euros para transferir competências na Saúde

O ministro das Finanças prepara-se para definir que verbas vão acompanhar a descentralização de competências para os municípios. Centeno adianta para já que Saúde e Educação têm as verbas mais altas.

Mário Centeno foi ouvido a pedido do CDS-PP sobre o pacote financeiro que será transferido para as autarquias na descentralização de competências

MÁRIO CRUZ/LUSA

O ministro das Finanças assegurou esta quarta-feira estar a realizar um trabalho detalhado para definir que verbas acompanharão cada competência a transferir para as autarquias, adiantando que na Saúde foi apresentado aos municípios um total de 90 milhões de euros.

Mário Centeno foi ouvido no parlamento sobre o pacote financeiro que o Estado central vai transferir para as autarquias para acompanhar a descentralização de competências, a pedido do CDS-PP.

Todos os grupos políticos, à exceção do PS, apresentaram ao ministro dúvidas sobre as verbas que vão acompanhar a transferência das várias competências para municípios, freguesias e Comunidades Intermunicipais e como vai ser feito esse pagamento, uma vez que o Fundo de Financiamento da Descentralização, incluído na proposta de Orçamento do Estado para 2019, foi chumbado na Assembleia da República, não tendo ficado prevista qualquer alternativa para autorização do pagamento destas verbas.

O ministro salientou que esta reforma tem sido “longamente debatida”, porque “não pode ser imposta, nem decretada do dia para a noite” e que, “obviamente, a questão do financiamento vem em conjunto com todo este debate”.

Centeno destacou que “há um conjunto de competências que têm associadas receitas próprias associadas”, pelo que “é evidente que a passagem da competência leva associado um pacote financeiro que está contido nessas receitas próprias”, que já estão identificadas.

O ministro destacou que “há duas competências que têm pacotes financeiros de maior dimensão”, que são a Saúde e a Educação, e outras que têm “pacotes mais diminutos, mas nem por isso menos importantes”, que são a Cultura, Habitação e Segurança Social.

“Cada um desses pacotes e destes diplomas setoriais está a ser apresentado e vai continuar a ser apresentado aos municípios. Na semana passada todos os municípios receberam uma ficha individualizada em relação ao pacote da Saúde”, revelou.

Segundo o ministro, no total são mais de 90 milhões de euros para distribuir pelos municípios, dos quais 22,9 milhões de euros para pessoal, 12,3 milhões de euros para imóveis e 55 milhões de euros para custos logísticos.

“Estes 90 milhões de euros foram divididos por todos os municípios, numa lógica de representação destas atividades nesses municípios, centros de saúde, todos os serviços que estão abrangidos pela transferência das competências, e os municípios têm agora informação para decidir em consciência se sim ou não e quando é que aceitam [a competência] e, no fundo, debatermos estes valores”, sublinhou.

Quanto à Educação, o ministro destacou que estão a ser preparadas as verbas “e vão ser transmitidas brevemente aos municípios”. “É um pacote muitíssimo maior, aproximadamente 800 milhões de euros, que também é variável, porque depende dos imóveis que os municípios aceitem nestas transferências”, disse, salientando que este valor é uma estimativa, porque a verba concreta depende da concretização exata dessa transferência, nomeadamente ao nível da manutenção de edifícios e do pessoal não-docente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)