Professores

Marcelo Rebelo de Sousa promulga contagem de tempo dos professores e dá três razões para o fazer

1.145

O Presidente da República dá três motivos para a promulgação: os encontros entre Governo e Sindicatos, a ausência de acordo e a possibilidade de um pedido de apreciação na Assembleia da República.

O Presidente da República apontou três razões para avançar com a promulgação

Octavio Passos/Observador

Marcelo Rebelo de Sousa promulgou esta segunda-feira o diploma do Governo sobre a reposição de 2 anos, 9 meses e 18 dias do tempo de serviço dos professores congelado. “O Presidente da República promulgou o diploma do Governo que mitiga os efeitos do congelamento ocorrido entre 2011 e 2017 na carreira docente”, lê-se na nota publicada no site da presidência.

O Presidente da República apontou três razões para avançar com a promulgação. Em primeiro lugar, refere que os encontros negociais entre Governo e Sindicatos realizados este ano cumpriram “o apontado veto presidencial de 16 de dezembro de 2018”. No segundo motivo, e face ao falhanço das negociações, Marcelo Rebelo de Sousa sublinha que se não promulgasse este diploma, as consequências poderiam ser piores do que os apenas dois anos de contagem: “Poderia conduzir a deixar os professores sem qualquer recuperação na carreira durante o ano de 2019”.

Por fim, o Presidente da República passou ainda a bola para o Parlamento, ao argumentar que esta promulgação “permite aos partidos com assento parlamentar, que já manifestaram ao Presidente da República as suas objeções ao diploma (…), se assim o entenderem, suscitem a sua apreciação na Assembleia da República, partindo já de uma base legal adquirida, podendo, se for essa a sua vontade maioritária, procurar fórmulas que não questionem os limites do Orçamento para 2019″.

Na passada quinta-feira, o Conselho de Ministros voltou a aprovar o decreto-lei que define o modelo de recuperação do tempo de serviço dos professores, repondo dois anos, nove meses e 18 dias do tempo congelado entre 2011 e 2017, argumentando que esta decisão “permite mitigar os efeitos dos sete anos de congelamento, sem comprometer a sustentabilidade orçamental”.

Ainda assim, esta contagem é inferior aos nove anos, quatro meses e dois dias reivindicados pelos sindicatos, que prometem continuar a lutar pela recuperação integral do tempo de serviço perdido durante os anos da crise.

Depois desta decisão, o Bloco de Esquerda e PCP anunciaram que vão pedir a apreciação parlamentar do decreto do Governo sobre o tempo de serviços dos professores. Em declarações aos jornalistas, a deputada do Bloco de Esquerda Joana Mortágua afirmou que “uma década de trabalho dos professores não pode corresponder a um apagão numa carreira”.

Leia o comunicado na íntegra:

O Presidente da República promulgou o diploma do Governo que mitiga os efeitos do congelamento ocorrido entre 2011 e 2017 na carreira docente, pelas seguintes três razões:

1.ª O Governo e os Sindicatos deram execução ao disposto no artigo 17.º da Lei do Orçamento para 2019, realizando encontros negociais já neste ano, assim cumprindo o apontado no veto presidencial de 16 de dezembro de 2018.

2.ª Tendo falhado as negociações, se o Presidente da República não promulgasse o diploma, isso poderia conduzir a deixar os professores sem qualquer recuperação na carreira durante o ano de 2019.

3.ª A promulgação permite aos partidos com assento parlamentar, que já manifestaram ao Presidente da República as suas objeções ao diploma, por o considerarem insuficiente, que, se assim o entenderem, suscitem a sua apreciação na Assembleia da República, partindo já de uma base legal adquirida, podendo, se for essa a sua vontade maioritária, procurar fórmulas que não questionem os limites do Orçamento para 2019.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt
Educação

Despedir os professores todos

João Pires da Cruz
881

A minha proposta é despedir os professores todos e entregá-los a Bruxelas. A escolha dos professores e a sua gestão deve ser feita pelas escolas; o pagamento dos seus salários deve vir de Bruxelas.

Escolas

Como travar o Processo de Elitização em Curso?

Rodrigo Queiroz e Melo

O atual sistema prejudica fortemente e condiciona a mobilidade socioeconómica. A maior das ironias é que tenha sido a atual solução governativa a causadora de tamanha desigualdade. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)