Os filhos de Jamal Khashoggi receberam casas de milhões de dólares e ainda pagamentos mensais superiores a 10 mil dólares (cerca de 9 mil euros). A garantia foi dada por membros das autoridades da Arábia Saudita e pessoas próximas da família Khashoggi ao Washington Post (acesso ao texto limitado a assinantes). De acordo com o jornal, os pagamentos fazem parte de uma tentativa de silenciar os filhos e filhas do jornalista assassinado na Turquia por um grupo de homens alegadamente ligado à coroa saudita.

Os dois filhos e as duas filhas de Khashoggi podem ainda ter recebido quantias avultadas de dinheiro — possivelmente dezenas de milhões de dólares — como parte das negociações que decorrem do julgamento dos acusados da morte do jornalista. O objetivo da coroa saudita é incentivar os familiares de Khashoggi a conterem as suas declarações públicas, já que o nome do príncipe herdeiro, Mohammed bin Salam, tem sido fortemente associado ao assassinato do jornalista.

Khashoggi. Cinco penas de morte pedidas na abertura do julgamento

De acordo com as fontes do Washington Post as casas e os pagamentos são o reconhecer da coroa saudita de que “foi cometida uma grande injustiça” e é, no fundo, uma tentativa “de compensar um erro”. As autoridades da Arábia Saudita dizem que os pagamentos estão em consonância com as práticas do país, que costuma providenciar apoio financeiro a vítimas de crimes violentos e rejeitam a ideia de que servem apenas para silenciar a família do jornalista.

O filho mais velho de Jamal Khashoggi, Salah, é o único que mantém a pretensão de viver na Arábia Saudita, enquanto que os seus irmãos vivem nos Estados Unidos e devem vender as casas oferecidas pela coroa. Em outubro, o governo saudita divulgou fotografias de um encontro entre Salah Jamal e o príncipe herdeiro, Mohammed bin Salam, que foram vistas como prova do poder coercivo da coroa sobre os filhos de Khashoggi.

Jamal Khashoggi pode não ter sido a única vítima do príncipe saudita Mohammed bin Salman

O Washington Post tentou obter reações dos filhos de Jamal Khashoggi, bem como o advogado que os representa, mas sem sucesso. As filhas têm sido mais ativas, no que à defesa do legado do pai diz respeito e chegaram a assinar uma carta aberta (limitada a assinantes) no jornal. Já os filhos aproveitam para maximizar a quantidade de dinheiro que a família pode acumular. O filho mais velho terá mesmo dito a alguns conselheiros da família que queria castigar a família real saudita e pretendia conseguir o quadro de da Vinci, que custou mais de 400 milhões de euros ao príncipe herdeiro em 2017.

“Salvator Mundi”, de Da Vinci: custou 400 milhões e agora ninguém sabe onde está