O príncipe herdeiro Mohammed bin Salman terá autorizado uma campanha secreta para silenciar opositores. De acordo com o New York Times, o monarca saudita terá criado uma equipa especial paramilitar que tem como objetivo aterrorizar ou até eliminar os opositores políticos. Alguns dos membros dessa equipa de intervenção rápida, como é denominada pelo jornal norte-americano, terão sido os responsáveis pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em outubro, na Turquia.

Segundo o New York Times, que cita fontes e relatórios dos serviços secretos norte-americanos, a equipa criada por bin Salman terá utilizado métodos como vigilância, rapto, detenção e tortura de cidadãos sauditas. Príncipes, empresários, ativistas e filhos de ministros também foram alvos dos raides da equipa de intervenção rápida da coroa saudita.

O “Grupo de Intervenção Rápida Saudita” — nome dado por oficiais americanos — terá sido responsável por cerca de doze operações desde 2017. Algumas das operações envolviam a repatriação de cidadãos sauditas de vários países árabes para serem detidos e torturados na Arábia Saudita em palácios do príncipe e do seu pai, o rei Salman.

Caso Khashoggi. Os escândalos do príncipe saudita que “atira primeiro e pergunta depois”

Um dos casos mencionados foi o de Faisalal-Jarba, um sócio de um membro da família real. Foi raptado durante a noite de um apartamento na Jordânia em junho do ano passado e levado para a Arábia Saudita. A sua família desconhece ainda as razões que terão levado à sua detenção. Saud bin al-Muntasir bin Saud, um dos príncipes sauditas, foi igualmente repatriado de Marrocos e um estudante com dupla nacionalidade — saudita e catari – foi detido durante uma visita ao Kuwait.

Segundo o jornal americano, o grupo era supervisionado por Saud al-Qahtani, um homem próximo da família real saudita. Em entrevista ao Observador no final de 2017, Khashoggi havia indicado al-Qahtani como o responsável por ter saído da Arábia Saudita. “Foi um telefonema muito educado em que ele me disse que tinha instruções para me proibir de continuar a escrever a minha coluna de opinião”, disse Khashoggi, menos de um ano antes de ser morto.

Revolução na Arábia Saudita: “É como ver os Tudors em fast forward”

Maher Abdulaziz Mutreb, delegado de al-Qahtani, era quem liderava a equipa no terreno e Thaar Ghaleb al-Harbi, um membro da guarda real, seria um dos operacionais do “Grupo de Intervenção Rápida Saudita”. De acordo com o Times, ambos estão a ser julgados em Riade por acusações ligadas ao assassinato de Khashoggi, enquanto o seu líder, al-Qahtani, se encontra em prisão domiciliária e impedido de viajar. Entretanto, não é claro que a equipa continue operacional, apesar de também não haver indicação em sentido contrário. O sigilo sobre a equipa de intervenção rápida é absoluto.

Centenas de detidos num hotel e três ativistas torturadas num palácio

Tudo terá tido início com a detenção de príncipes, ministros, empresários e antigos oficiais no Hotal Ritz-Carlton em Riade, no ano de 2017. A purga “anti-corrupção”, como lhe chamou o príncipe bin Salman, resultou em centenas de detidos e durou semanas. No final, a iniciativa rendeu mais de 100 mil milhões de euros aos cofres da Arábia Saudita e o príncipe apontou a operação como sendo necessária para combater “o cancro da corrupção”. Muitos dos detidos foram sujeitos a tortura e, de acordo com testemunhas, uma pessoa morreu sob a custódia da família real.

De acordo com o artigo do jornal americano, o “Grupo de Intervenção Rápida Saudita” aparece também envolvido na detenção e abusos de algumas ativistas pelos direitos das mulheres, na primavera e verão do ano passado. Algumas das ativistas conhecidas são: Loujain al-Hathloul, que esteve presa por ter tentado entrar de carro na Arábia Saudita a partir dos Emirados Árabes Unidos; Aziza al-Yousef, uma professora reformada de ciência informática e Eman al-Nafjan, professora de linguística.

Jamal Khashoggi, o jornalista que desapareceu sem deixar rasto: “O príncipe saudita quer pessoas como eu fora do seu caminho”

As mulheres estiveram retidas, de forma informal, num palácio pouco usado pela família real, na cidade de Jidá, no Mar Vermelho, de acordo com a irmã de Loujain al-Hathloul. Num artigo publicado no New York Times, a irmã de al-Hathloul diz que Saud al-Qahtani esteve sempre presente quando a sua irmã foi torturada e que o mesmo terá ameaçado matar e atirar o corpo da irmã para os esgotos. O tratamento dado às mulheres terá sido de tal forma violento que, de acordo com os relatórios dos serviços de informação norte-americanos, Eman al-Nafjan terá tentado suicidar-se.

As mulheres foram depois transportadas para a prisão de Dhahban em Jidá, onde os abusos terão parado e puderam receber visitas de familiares. Os seus julgamentos, por “ligação a atividades que ameaçam a segurança nacional do reino [da Arábia Saudita]”, foram interditos a jornalistas e diplomatas.