O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse esta segunda-feira que ocorreram situações de “fraude” e “crime” nas eleições municipais em Istambul e que o partido no poder vai impugnar judicialmente os resultados provisórios.

Comprovamos que houve irregularidades em todas as partes. É crime organizado”, disse Erdogan em conferência de imprensa antes de partir para uma viagem oficial à Rússia.

“Está a demonstrar-se onde e como se cometeu a fraude”, disse o chefe de Estado.

“Com dez milhões de eleitores recenseados e com uma diferença de 13 ou 14 mil votos, ninguém pode dizer que tenha ganho”, acrescentou Erdogan, referindo-se aos resultados preliminares que indicam a derrota do AKP no poder face aos sociais-democratas do CHP, em Istambul.

O resultado provisório das eleições municipais de 31 de março dá ao Partido Republicano Popular (CHP) uma vantagem de 23 mil votos.

Turcos mostram cartão amarelo a Erdogan nas eleições locais

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No domingo à noite, após a recontagem de 90% dos votos nulos, a diferença entre os dois partidos era de 15.800 votos, de acordo com fontes do CHP.

Denunciando “irregularidades flagrantes” na votação, o AKP requereu no início da semana uma primeira recontagem parcial, sobretudo dos votos contabilizados como nulos.

No domingo, o partido anunciou que vai pedir a recontagem de todos os votos submetidos em Istambul e Erdogan anunciou hoje que vai pedir uma investigação judicial para o esclarecimento das “irregularidades”.

Partido do poder na Turquia vai contestar resultados das municipais em Istambul

Erdogan partiu pouco depois das 07:30 para Moscovo, onde vai encontrar-se com o chefe de Estado russo, Vladimir Putin, para discutir questões bilaterais e também da questão da Síria.