Primeiro-Ministro

António Costa quer mais doutorados no tecido empresarial português

516

Número de bolsas de doutoramento tem aumentado e o primeiro-ministro acredita que o Governo está a assegurar "condições dignas e sustentáveis" aos doutorados.

Costa falou na terceira sessão da Convenção Nacional do Ensino Superior 2020-2030, no Porto

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta terça-feira serem necessários mais doutorados no tecido empresarial português, destacando que as empresas têm atualmente “mais consciência” de que que necessitam de “apostar na contratação” para o desenvolvimento da sua atividade.

“Podemos estar hoje confiantes de que vamos ultrapassar o objetivo que nos havíamos proposto, de apoiar a criação de cinco mil postos de trabalho entre instituições do ensino superior nas unidades inovação e desenvolvimento (I&D) e empresas até ao final desta legislatura”, disse António Costa, à margem da terceira sessão da ‘Convenção Nacional do Ensino Superior 2020-2030’, que decorre esta terça-feira na Reitoria da Universidade do Porto.

Segundo o governante, desde janeiro de 2017 já foram formalizados “mais de três mil” contratos e estão abertos concursos para “mais 4.600” contratos nas diferentes vias do programa de Estímulo ao Emprego Científico.

“Houve já um crescimento muito significativo de doutorados a realizar atividades de I&D, mais 30%, e também aumentou desde 2015 o número de empresas que beneficiam de apoios fiscais para contratar mais investigadores, cerca de 37% no mesmo período”, apontou.

António Costa lembrou também o aumento “das bolsas de doutoramento”, que de 971, em 2015, passaram para mais de 1.600 no ano letivo de 2018-2019, acreditando que o Governo está a contribuir “para a mudança de paradigma de empregabilidade” e a assegurar “condições dignas e sustentáveis” aos doutorados.

“Até ao início deste mês, já tinham sido celebrados contratos com 87% dos bolseiros elegíveis ao abrigo da norma transitória, dando a estes bolseiros a oportunidade de uma carreira científica digna. Bem sei que a aplicação concreta do PREVPAP [Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública] ao sistema de ensino superior se reveste de particular complexidade”, disse, acrescentando que “combater a precariedade é uma prioridade, mas tem de ser conjugada com a preservação da especificidade própria, seja da carreira docente, seja da carreira de investigação universitária”.

Durante a sessão, António Costa apontou “um conjunto de elementos” que são necessários ter em conta, ao traçar a agenda do ensino superior para a próxima década.

“Em primeiro lugar, prosseguirmos com o aumento de alunos inscritos no ensino superior. Em segundo lugar, diversificando e especializando o processo de ensino e aprendizagem. Em terceiro, através da criação de mais e melhor emprego. Em quarto lugar, o estímulo à capacidade de empreendedorismo dos nossos jovens e investigadores com mais responsabilidade individual e coletiva. Em quinto, através da promoção da internacionalização das instituições de ensino superior, promovendo parcerias internacionais, atraindo estudantes e investigadores estrangeiros. E, finalmente, é fundamental desenvolver um quadro dinâmico de ligação entre os centros de produção de conhecimento e o tecido empresarial, de forma a favorecer e valorizar o conhecimento”, enumerou.

O primeiro-ministro lembrou ainda que um dos “resultados mais positivos” da recuperação económica do país foi o aumento de mais 15 mil alunos a frequentarem o ensino superior, algo que acredita ser “um sinal de recuperação do rendimento das famílias”, mas também a “recuperação da ideia de que o investimento em educação é o investimento mais produtivo”.

Além do aumento de alunos a frequentarem o ensino superior, o governante sublinhou também a aposta nos alunos do ensino técnico-profissional e a promoção de um programa nacional para o alojamento dos estudantes universitários.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)