Rádio Observador

Banco Mundial

Banco Mundial. Países afetados pelo ciclone Idai precisam de 1.768 milhões de euros

O valor foi calculado pelo Banco Mundial e é a "primeira expectativa" para a reconstrução de infraestruturas em Moçambique, Maláui e Zimbabué. O ciclone já fez mais de 600 mortos e 1000 feridos.

O número foi anunciado numa reunião em Washington entre Banco Mundial, FMI e representantes dos países afetados

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa

O Banco Mundial calcula que sejam necessários 2.000 milhões de dólares (1.768 milhões de euros) para recuperar infraestruturas e meios de sustento nos países afetados pela passagem do ciclone Idai por Moçambique, Maláui e Zimbabué, em março.

Este valor, que representa “as primeiras estimativas”, foi anunciado após uma reunião, na quinta-feira, em Washington, à margem das reuniões da primavera do Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional (FMI), entre o Banco Mundial e representantes dos países afetados e de outros parceiros.

Em comunicado, o Banco Mundial refere que mobilizou “recursos substanciais” que não quantificou para “reparar estradas e canalizações de abastecimento de água e esgotos, higiene, controlo e prevenção de doenças, agricultura e segurança alimentar”.

A instituição financeira internacional diz que vai “procurar ter acesso a recursos adicionais”, através de um trabalho em conjunto com doadores para “mobilizar um fundo” e, numa fase seguinte, desenvolver esforços para a “reconstrução e recuperação a médio e longo prazo nos países elegíveis”.

De acordo com o documento, os participantes “reconhecem a importância da colaboração global para recuperação e reconstrução” de populações vulneráveis ao “clima e ao risco de desastre”, e estão de acordo quanto à “importância de continuar esta discussão fundamental” em futuros eventos.

Além de representantes de Moçambique, Maláui e Zimbabué, estiveram presentes também elementos do Ministério dos Negócios Estrangeiros português, do Departamento para o Desenvolvimento Internacional (DFID) britânico, e do Escritório das Nações Unidas para os Assuntos Humanitários (OCHA).

Na quinta-feira, a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) lançou um apelo para a recolha de 323 milhões de dólares (287 milhões de euros) para “responder à crise de forma eficaz” e “prestar assistência humanitária com urgência”, após a passagem do ciclone que terá afetado cerca de três milhões de pessoas.

O ciclone Idai atingiu a região centro de Moçambique, o Maláui e o Zimbabué em 14 de março. Em Moçambique, o ciclone fez 602 mortos e 1.641 feridos e afetou mais de 1,5 milhões de pessoas, segundo o mais recente balanço. O Ministério da Saúde de Moçambique anunciou na quinta-feira a oitava morte causada pelo surto de cólera que irrompeu a seguir à passagem do ciclone Idai pelo centro do país.

Na quarta-feira, as autoridades do Zimbabué anunciaram que a passagem do Idai causou 344 mortos no país, revendo em alta estimativas anteriores, que indicavam entre 180 a 250 vítimas mortais. Estão ainda pelo menos 257 pessoas dadas como desaparecidas no leste do país.

Na Maláui, as inundações provocadas pela passagem do ciclone provocaram 59 mortos e quase 900 feridos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)