Rádio Observador

Assalto em Tancos

Cândida Vilar investigada por alegada interferência contra o MP no caso de Tancos

105

A procuradora terá aconselhado o major Vasco Brazão, da PJ Militar, a não dar informações ao Ministério Público e à Polícia Judiciária. Vilar está a ser investigada, mas o inquérito não tem arguidos.

Várias armas e outro equipamento militar desapareceram dos paióis de Tancos em junho de 2017

PAULO NOVAIS/EPA

A procuradora Cândida Vilar está a ser alvo de um inquérito-crime com “origem numa certidão extraída do processo de Tancos”, noticia este sábado o Diário de Notícias. O Ministério Público (MP) instaurou o processo contra Cândida Vilar por esta ter alegadamente aconselhado o major Vasco Brazão, oficial da Polícia Judiciária Militar, a não dar informações ao MP e à PJ durante a investigação ao desaparecimento de armas e equipamento militar dos paióis de Tancos.

O processo, cuja existência foi confirmada ao Diário de Notícias pela Procuradoria-Geral da República, está a ser conduzido pelo Ministério Público do Tribunal da Relação de Lisboa e não tem arguidos constituídos. Já a procuradora diz desconhecer a existência deste inquérito, afirmando não ter sido “notificada de nada”.

O inquérito teve origem numa certidão extraída do processo de Tancos, no qual Cândida Vilar não tem qualquer intervenção formal. De acordo com o Diário de Notícias, a origem deste processo está numa escuta a uma chamada entre Vasco Brazão (o major que liderou a investigação da PJ Militar ao desaparecimento do material militar) e a procuradora, durante a qual, no entender do Ministério Público, Cândida Vilar motivou Brazão a não dar informações ao DCIAP e à PJ.

Poderão estar em causa crimes contra a realização da justiça, como denegação de justiça, prevaricação e favorecimento pessoal, sublinha o Diário de Notícias. Além disso, estão também em causa violações dos deveres dos magistrados do Ministério Público.

Vasco Brazão tinha o telefone sob escuta uma vez que estava na altura na mira da Operação Húbris, que investigou o misterioso reaparecimento das armas de Tancos. Viria a saber-se que a PJ Militar investigou o desaparecimento de forma paralela à PJ, para passar à frente desta polícia, acabando por chegar ao material desaparecido com a cooperação de um dos autores do roubo. Aliás, a Operação Húbris recebeu este nome precisamente devido ao significado desta palavra: “Arrogância, presunção ou excesso”.

A procuradora Cândida Vilar tem sido responsável por alguns dos processos mais mediáticos no país. Já tinha trabalhado com o major Vasco Brazão a propósito da investigação à morte de dois recrutas dos comandos, em 2016. Mais recentemente, esteve também envolvida no caso da invasão da academia do Sporting por membros da Juve Leo — durante o qual foi muito criticada devido à forma como conduziu interrogatórios, nomeadamente com o ex-líder da claque, Fernando Mendes.

Cândida Vilar foi alvo de três processos disciplinares só no último ano. Um no caso dos comandos e dois no caso de Alcochete. Esta semana, a procuradora foi constituída arguida numa queixa relativa à forma como agiu no caso dos comandos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)