Paris

O padre “herói” que entrou em Notre Dame durante o incêndio para salvar relíquias. Já tinha entrado no Bataclan

5.866

"O padre Fournier foi um absoluto herói", disse um elemento da equipa de emergência. O capelão entrou no edifício para ajudar a salvar uma coroa de espinhos histórica e o Santíssimo Sacramento.

O padre Jean-Marc Fournier, numa fotografia divulgada pelo editor da estação francesa KTO, Etienne Loraillere

Twitter @ Etienne Loraillère

Já há quem lhe chame “o padre destino” e “um herói”. Exagero? Nem por isso. Jean-Marc Fournier, o capelão da Corporação de Bombeiros de Paris, terá sido um dos grandes responsáveis pela preservação de algumas das maiores relíquias religiosas da catedral de Notre Dame, parcialmente destruída por um incêndio esta segunda-feira.

Já depois de o fogo deflagrar, o padre francês entrou “corajosamente” no interior da catedral parisiense para ajudar a retirar duas das relíquias mais importantes da histórica catedral francesa: uma Coroa de Espinhos que os fiéis acreditam conter partes da coroa usada por Jesus Cristo na crucificação e o santíssimo sacramento.

A notícia é dada pela Sky News, que cita um membro das equipas de emergência (por identificar) que refere: “O padre Fournier é um herói absoluto. Não mostrou nenhum medo e entrou [no edifício] imediatamente em direção das relíquias no interior da catedral, garantindo que seriam salvas”.

A informação foi corroborada por um editor da estação televisiva católica de França KTO, Etienne Loraillere, que confirmou que o capelão “entrou com os bombeiros na catedral de Notre Dame para salvar a Coroa de Espinhos e o Santíssimo Sacramento”. O jornalista divulgou ainda uma fotografia do padre no local, ao pé das equipas de emergência.

O capelão da Corporação de Bombeiros de Paris já tinha estado na sala de concertos Bataclan depois do massacre terrorista de 13 de novembro de 2015, em que morreram 89 pessoas, refere a Sky News, que acrescenta que ele se deslocou na altura à sala de espetáculos parisiense para rezar pelos mortos e confortar os feridos e familiares das vítimas.

A estação televisiva britânica acrescenta que o padre terá entre 50 e 60 anos e começou a sua carreira na Alemanha, tendo-se posteriormente mudado para França. Entre 2004 e 2011, trabalhou com a diocese das Forçadas Armadas francesa, acompanhando militares do país em vários pontos do mundo. Durante uma missão no Afeganistão, terá “sobrevivido a uma emboscada em que dez soldados foram mortos”.

A homenagem de um violoncelista junto à catedral

Extinto o fogo nesta madrugada, muitos parisienses procuram aproximar-se da catedral. O acesso ao locaal continua, no entanto, vedado. Isso não impediu que, o violoncelista francês Gautier Capuçon se deslocasse para perto do monumento parisiense para tocar uma peça em homenagem à história do edifício: “Après un rêve”, do compositor francês (e pianista e organista) do século XIX Gabriel Fauré. O título do tema pode ser traduzido para algo como “Depois de um Sonho”. O momento foi registado em vídeo e também em fotografias pela rádio Europe 1.

Nascido em 1981, antigo aluno distinto do Conservatório Superior de Paris e do Conservatório Nacional Superior de Música de Paris, Gautier Capuçon tem mais de uma dezena de álbuns gravados e lançados, com várias formações e em diferentes formatos. No final da pequena atuação junto à Catedral de Notre Dame, disse, citado pelo jornal francês Le Figaro: “Estava em casa quando vi as primeiras chamas. Não consegui resistir a vir aqui, tinha de ver isto pelos meus próprios olhos”.

[Notre Dame. O que se segue depois do fogo apagado?]

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro
807

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)