O Banco de Portugal ja concluiu o processo de contra-ordenação contra a auditora KPMG Portugal, que acusa de ter tido conhecimento das perdas que existiam no balanço do BES Angola e o perigo que elas poderiam representar para a casa-mãe. A “prestação de informações falsas” que o supervisor diz ter ocorrido leva à aplicação de duas coimas, num total de três milhões de euros.

Segundo comunicado divulgado esta quarta-feira pelo Banco de Portugal, além da própria auditora, dois responsáveis da auditora também foram penalizados: Inês Viegas e Fernando Antunes.

A auditora e estes dois responsáveis cometeram “infrações consideradas especialmente graves”. Uma primeira coima, à KPMG, deve-se a uma infração “a título doloso” por “prestação de informações incompletas ao Banco de Portugal. A segunda diz mesmo que houve “prestação de informações falsas”, também “a título doloso” — no total, as duas coimas vão implicar o pagamento de uma coima única no valor de três milhões de euros.

Inês Viegas será alvo de uma coima de 425 mil euros e Fernando Antunes em 400 mil euros pelas “várias contraordenações” que foram cometidas pelos dois responsáveis, também na sequência de prestação de informações falsas ao Banco de Portugal. Sikander Sattar, o presidente da empresa, porém, não consta do processo contraordenacional, apesar de na altura do colapso do BES ser presidente da KPMG Portugal e, também, da KPMG Angola.

KPMG devia ter detetado mais cedo os problemas no Grupo Espírito Santo

Este é um processo em que o Banco de Portugal acusa a consultora liderada por Sikander Sattar de não ter cumprido normas de auditoria em 2011 e 2012 e de omitir perdas identificadas na carteira de crédito do BESA (auditado pela KPMG Angola), nos dois anos seguintes. A empresa alegou, em sua defesa, que estavam em em causa duas empresas distintas (apesar de terem o mesmo presidente), que havia informação pública a que o banco central podia aceder e que só teve conhecimento das imparidades no BES Angola depois de o Estado angolano ter dado a famigerada garantia pública aos créditos do BESA.

Mas a entidade governada por Carlos Costa defendeu, entre outras coisas, que a auditora externa devia ter obrigado o BES a colocar nas contas de 2011 e de 2012 reservas de limitação de âmbito, ou seja, avisar que não detinha informação suficiente sobre a sua exposição ao BESA.

KPMG. Obrigações ruinosas para o BES foram compradas e vendidas pelo banco do Panamá