Ambiente

Alterações climáticas. “Oiçam os cientistas”, pede a jovem ativista sueca Greta Thunberg que fez furor em Londres

570

Adolescente que liderou greve às aulas na Suécia para alertar sobre as alterações climáticas é recebida em Londres como uma rockstar. Deixou mensagem aos políticos e apoiou uma greve geral pelo clima.

Greta Thunberg num evento da Extinction Rebellion em Londres

Getty Images

Greta Thunberg, a jovem de apenas 16 anos que ficou conhecida em todo o mundo depois de fazer greve às aulas para chamar a atenção para o problema das alterações climáticas, apelou a uma greve geral pelo clima e voltou a sublinhar que é preciso fazer algo em relação ao ambiente.

As declarações foram feitas no Dia da Terra, num evento em Londres, cidade onde Greta está atualmente — depois de ter passado pelo Parlamento Europeu e de se ter encontrado com o Papa Francisco na semana passada. “As pessoas estão lentamente a tornar-se mais conscientes, mas as emissões [de CO2] continuam a aumentar. Não nos podemos focar em coisas pequenas. Basicamente, nada mudou”, declarou a sueca, segundo o The Guardian.

Questionada por Franny Armstrong, realizadora do documentário sobre o clima The Age of Stupid, sobre se chegou a altura de se marcar uma greve geral pelo clima, Thunberg respondeu de imediato “Sim”, à semelhança dos outros participantes no evento.

Em entrevista à BBC, a jovem adolescente deixou uma mensagem para os líderes políticos: “Oiçam a ciência, oiçam os cientistas. Convidem-nos para conversar. Eu estou só a falar em nome deles, estou a tentar dizer o que eles dizem há décadas”, afirmou a ativista. Questionada sobre o que diria ao Presidente norte-americano Donald Trump — que ordenou a retirada dos Estados Unidos do Acordo de Paris e que já classificou o aquecimento global como “um embuste” —, Greta disse não ter nada de novo a dizer. “Ele obviamente não está a ouvir a ciência e o que nós temos para dizer, portanto não seria capaz de o fazer mudar de ideias”.

A passagem de Greta pelo Reino Unido coincide com o final de uma semana de manifestações do grupo Extinction Rebellion, em lugares tão emblemáticos de Londres como a praça do Parlamento, Oxford Circus e a ponte de Waterloo. Ao todo, a polícia britânica deteve mais de mil manifestantes. No evento onde participou, a ativista da Suécia declarou apoiar o grupo: “A desobediência civil é importante para mostrar que isto é uma emergência”, declarou.

Para quê estudar por um futuro que nos está a ser roubado? Para quê estudar factos quando os factos nesta sociedade não interessam? Sinto-me com poder por saber que estou a fazer alguma coisa, estou a tomar uma posição, estou a ser disruptiva”, afirmou, sobre a sua decisão de fazer greve às aulas.

A realizadora Armstrong declarou ao Guardian que a passagem de Greta pelo evento no Dia da Terra foi algo nunca visto. “Já vim a dezenas de eventos ao longo dos anos, mas nunca vi nada assim. É a primeira vez que vejo uma ovação de pé ainda antes de o evento começar. Ela é uma rock star“.

Em Londres, Greta Thunberg irá ainda encontrar-se com o presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, e participar num evento onde estarão os líderes dos principais partidos, com exceção da representante do Partido Conservador, a primeira-ministra Theresa May.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)