Rádio Observador

Primeira Liga NOS

FC Porto fez roda no meio-campo, ouviu assobios, voltou dos balneários, recebeu vénias mas nem tudo acabou bem

884

Após a goleada ao Desp. Aves, plantel do FC Porto fez a habitual roda no meio-campo, ouviu reação dos Super Dragões e voltou ao relvado. Os assobios passaram a vénias mas noite acabou de forma tensa.

Jogadores do FC Porto regressaram ao relvado e foram ao topo sul onde os Super Dragões tinham uma mensagem para Sérgio Conceição

LUSA

Sérgio Conceição, não tendo falado muito do assunto na antevisão ao encontro com o Desp. Aves deste sábado, já tinha referido quase de passagem que não tinha gostado nada da reação dos adeptos portistas após o empate dos dragões em Vila do Conde. E voltou a reforçar aquilo que referira após o jogo com o Rio Ave, argumentando que gosta muito do clube mas que, no dia em que acharem que está a fazer um mau trabalho, agarra na mala e vai embora. Depois, a bola começou a rolar. E o FC Porto goleou os avenses por 4-0, numa partida claramente marcada pelas homenagens a Iker Casillas. No entanto, o apito final de Hugo Miguel acabou apenas um “jogo” porque havia outro que estava prestes a iniciar-se.

Como é normal desde que Sérgio Conceição assumiu o comando, o plantel dos azuis e brancos faz sempre uma roda conjunta com todos os jogadores, treinadores e restantes elementos após o encontro, tendo um ou mais interlocutores. Esta noite não foi exceção, com Aboubakar, que voltou aos relvados quase oito meses depois, a assumir a conversa. Ainda assim, houve uma grande diferença: essa reunião acabou por acontecer no centro do relvado e não junto à baliza sul do estádio, onde está concentrada uma das claques do clube, os Super Dragões. O próprio técnico, a caminho do túnel de acesso ao balneário, acenou com a mão a três das bancadas, deixando exatamente aquela de parte. Ato contínuo, ouviram-se assobios.

Os Super Dragões chegaram a erguer uma tarja dedicada a Sérgio Conceição, com a frase “Adoramos os que odeiam perder” para completar a ideia principal: “És um dos nossos”. No entanto, aquele final de partida em Vila do Conde não estava esquecido e o grupo seguiu em frente como se nada se passasse. Pelo menos durante cerca de 15 minutos; nessa altura, voltou.

Com muitos jogadores já sem meias nem chuteiras ou com camisolas de treino vestidas, todos aqueles que tinham estado na roda subiram de novo ao relvado com o treinador da frente e foram colocar-se de frente para a bancada onde já só estavam os muitos elementos dos Super Dragões, que permaneceram nessa zona quando toda a gente tinha saído. Entre gritos de “Porto! Porto!” ou “O Porto somos nós”, houve dois momentos marcantes: o primeiro quando Fernando Madureira, líder da claque que tinha sido dos mais revoltados em Vila do Conde, fez uma vénia à atitude da equipa; o segundo, pouco depois, quando Herrera pegou no megafone e dedicou algumas palavras aos adeptos azuis e brancos. Brahimi ou Pepe aproximaram-se ainda da bancada e conversaram com alguns elementos que ali estavam. Sérgio Conceição, um pouco mais distante, assistiu a tudo sem grandes expressões e saiu a aplaudir os adeptos.

O grupo azul e branco deslocou-se então ao outro topo do estádio, onde se costuma concentrar a outra claque, o Colectivo Ultras 95. Havia bem menos adeptos, apesar de muitos terem ainda conseguido travar a marcha de saída para verem o momento, e os jogadores aproximaram-se também da bancada par trocar algumas palavras com os presentes. Um deles foi Danilo, que até terminou o encontro como capitão depois da saída de Herrera, internacional português que não disfarçou o desconforto com algo que terá sido dito ou feito como se percebeu pela sua reação quando regressava aos balneários, bem percetível nas imagens televisivas da Sport TV quando estava a acompanhar esse momento em direto. Um vídeo que circulou este domingo mostra mesmo a troca de palavras de forma mais tensa entre Felipe, Brahimi ou Marega e alguns adeptos, bem como um momento em que Loum, que não foi convocado para o encontro, vai à bancada e agarra um dos presentes, sendo depois afastado.

Artigo atualizado às 14h30 de dia 5 de maio, domingo, depois do aparecimento de um novo vídeo dos jogadores do FC Porto junto do setor onde se concentra a claque Coletivo Ultras 95.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)