Rádio Observador

Lula da Silva

Supremo Tribunal brasileiro nega pedido de ‘habeas corpus’ a Lula da Silva

127

A recusa surgiu na passada sexta-feira e foi assinada pelo juiz Edson Fachin. Este novo pedido tinha sido feito pelo ex-secretário de Justiça do estado brasileiro do Piauí, Daniel Oliveira.

Fernando Bizerra Jr./EPA

O juiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal brasileiro (STF), negou na sexta-feira um pedido de ‘habeas corpus’ para o ex-presidente Lula da Silva, protocolado esta semana por advogados que não integram a defesa do antigo governante.

O pedido tinha sido efetuado na passada segunda-feira por Daniel Oliveira, ex-secretário de Justiça do estado brasileiro do Piauí, e por Fellipe Roney de Carvalho, ambos advogados, mas sem nenhuma ligação com a defesa oficial de Lula da Silva.

Por essa razão, a defesa do ex-presidente brasileiro demarcou-se da posição adotada de forma independente pelos dois advogados e assinou uma petição contra o pedido de ‘habeas corpus’, por aquele ter sido efetuado “por pessoas estranhas à sua defesa técnica”.

No documento a que a agência Lusa teve acesso, a defesa de Lula da Silva acrescentou ainda que a ação foi efetuada “sem o conhecimento” do ex-chefe de Estado.

“Luiz Inácio Lula da Silva, (…) atualmente custodiado na Superintendência da Polícia Federal do Paraná, vem (…) requerer o não conhecimento da ordem de ‘Habeas Corpus’ em epígrafe. A defesa técnica (de Lula) tomou conhecimento do protocolo do presente Habeas Corpus através de matéria jornalística. A ação, no entanto, foi impetrada sem o conhecimento do paciente e por pessoas estranhas à sua defesa técnica”, pode ler-se na petição.

Os advogados do antigo governante brasileiro solicitaram também que todas as intimações passem a ser feitas exclusivamente em nome do advogado principal de Lula da Silva, Cristiano Zanin Martins.

“O eixo central da defesa técnica de Lula sempre foi e será obter a sua absolvição, o único desfecho possível para alguém que não praticou qualquer crime”, disse à Lusa a assessoria da defesa do histórico líder do Partido dos Trabalhadores (PT).

Numa entrevista concedida na sexta-feira a um jornalista brasileiro, Lula da Silva afirmou querer “ir para casa”, mas sem que isso implique “abrir mão de continuar a lutar” pela sua defesa.

“Eu quero ir para casa. Agora, se eu tiver que abrir mão de continuar a lutar pela minha defesa, eu não tenho nenhum problema de ficar aqui”, afirmou o ex-chefe de Estado ao jornalista Kennedy Alencar.

Os juízes do Supremo Tribunal de Justiça decidiram na semana passada, de forma unânime, reduzir a pena do ex-presidente Lula da Silva, de 12 anos e um mês para oito anos, 10 meses e 20 dias de prisão.

Atualmente, Lula cumpre pena em regime fechado, na sede da Polícia Federal em Curitiba, por corrupção passiva e branqueamento de capitais, mas, de acordo com a Lei de Execução Penal, após cumprir um sexto da pena poderá progredir para regime semiaberto, pelo que poderá deixar a cadeia durante o dia para poder trabalhar.

Segundo a pena fixada pelos juízes do Superior Tribunal de Justiça brasileiro, Lula terá de cumprir 17 meses de prisão para progredir para o regime semiaberto.

O antigo chefe de Estado brasileiro cumpriu 12 meses de cadeia no passado dia 07, ficando assim a faltar cinco meses para que Lula possa sair da prisão ainda em 2019, em regime semiaberto.

O ex-governante é visado ainda em seis processos que estão a tramitar em diferentes instâncias da Justiça brasileira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)