Pelo menos 41 pessoas morreram depois de um incêndio ter deflagrado numa aeronave russa, de acordo com a agência de notícias russa Interfax. Entre as vítimas mortais estão duas crianças e um tripulante. Os números são avançados pelo comité de investigação russo, sendo que o acidente está a ser investigado pelas autoridades competentes.

Já em chamas, o avião com 78 passageiros (incluindo cinco tripulantes) a bordo fez este domingo uma aterragem de emergência no Aeroporto Internacional de Sheremetievo, em Moscovo. A agência de notícias TASS escreve que o avião incendiou-se durante a aterragem.

[Vídeo. As imagens do avião em chamas]

O número de mortos inicialmente reportado — 13 — aumentou drasticamente nas últimas horas à medida que as equipas de emergência foram recuperando “meticulosamente” os corpos por entre os destroços da aeronave, explica o The Guardian.

Pelo menos 41 pessoas morreram e várias terão ficado feridas na sequência do incêndio que terá deflagrado num dos motores do avião — esta é, pelo menos, uma das hipóteses relatadas. Os restantes passageiros a bordo terão conseguido abandonar o aparelho pelo próprio pé. O último balanço aponta para 37 sobreviventes. 

O avião da companhia aérea Aeroflot — um Sukhoi Superjet-100 que fazia o voo SU1492 — levava 73 passageiros e cinco membros da tripulação a bordo, e fazia o trajeto entre Moscovo e Murmansk quando teve de dar meia volta e aterrar de emergência depois de um dos seus motores se ter alegadamente incendiado. A aterragem aconteceu cerca de 30 minutos após a descolagem, acrescenta o La Vanguardia.

O jornal espanhol já citado escreve ainda que o avião aterrou sem conseguir comunicar com a torre de controlo, já que os sistemas de comunicação da aeronave estavam danificados pelo fogo.

SERGEI ILNITSKY/EPA

“O avião emitiu um pedido de socorro depois de ter levantado voo. Solicitou duas vezes uma aterragem de emergência e quando finalmente se fez à pista já ia em chamas”, disse uma fonte à agência de notícias russa Interfax.

Depois de detetada uma emergência a bordo, o avião regressou ao ponto de partida, isto é, ao aeroporto de Moscovo de onde tinha descolado. Ao tentar aterrar, a aeronave terá embatido várias vezes contra a pista, danificando os tanques de combustível e ateando, assim, o fogo. Segundo o The Guardian, os bombeiros demoraram mais de uma hora a alcançar os passageiros que estariam sentados nas traseiras do avião — nesta fase, acredita-se que a maioria das vítimas estaria retida na cauda do avião

Um mau funcionamento elétrico pode estar na origem do incêndio entretanto extinto, adianta a Lusa, que cita a agência Ria Novosti. São muitas as imagens do avião em chamas que circulam nas redes sociais. O acidente terá obrigado ao cancelamento ou adiamento de 100 voos nos três aeroportos mais importantes de Moscovo.

Entretanto, Vladimir Putin expressou, via Twitter, as condolências aos familiares das vítimas mortais na sequência do acidente deste domingo.