Rádio Observador

Catalunha

Espanha. Supremo diz que Puigdemont se pode candidatar às europeias

115

A decisão do Supremo Tribunal estende-se também aos ex-membros do seu governo Antoni Comín e Clara Ponsatí, que estão fugidos da justiça espanhola, depois da declaração unilateral de independência.

Carles Puigdemont vive exilado na Bélgica depois da declaração unilateral de independência da Catalunha

CLEMENS BILAN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Supremo Tribunal Espanhol considerou este domingo que o ex-presidente do governo catalão, Carles Puigdemont, tem o direito em se candidatar às eleições europeias, contradizendo o Conselho Eleitoral Central.

Esta decisão do Supremo Tribunal estende-se também aos ex-membros do seu governo Antoni Comín e Clara Ponsatí, que estão fugidos da justiça espanhola, depois da declaração unilateral de independência, em 27 de outubro de 2017.

O Supremo Tribunal ordenou aos tribunais do Contencioso-Administrativo de Madrid para que decidam imediatamente se Carles Puigdemont, Antoni Comín e Clara Ponsatí podem concorrer às eleições europeias pela lista do Junts per Catalunya (JxCat).

Para o Supremo Tribunal, os juízes do Contencioso-Administrativo de Madrid são quem tem competência para decidir sobre os recursos apresentados pelos três políticos, depois do Conselho Eleitoral Central os ter excluídos do processo eleitoral para as eleições europeias.

No entanto e segundo o despacho do Supremo Tribunal, os três políticos podem fazer parte das listas do partido JxCat, uma vez que não são encontradas na lei razões que justifiquem a exclusão.

Por unanimidade, o tribunal superior ordenou aos tribunais competentes de Madrid que resolvam de imediatamente esses recursos, “tendo em conta” que em nenhum dos três “não há causa de inelegibilidade “.

Esta semana, o Conselho Eleitoral Central espanhol decidiu excluir o ex-presidente do governo catalão e os antigos membros do seu governo como candidatos às eleições europeias, depois dos recursos apresentados pelo Partido Popular e pelo movimento Cidadãos.

Em resposta a esta decisão, os três políticos reagiram em comunicado, dizendo que vão empreender “todas as ações jurídicas em Espanha e na Europa” para defender o seu direito a apresentar-se às eleições europeias e os direitos dos cidadãos de votarem neles.

A polémica à volta de Puigdemont começou quando o parlamento catalão declarou unilateralmente a independência, em 27 de outubro de 2017, que resultou na suspensão da autonomia catalã por parte do governo espanhol.

Em 30 de outubro desse ano, foram levantadas acusações de rebelião e mau uso de fundos públicos contra Puigdemont e contra outros membros do governo da Catalunha, levando-os a fugir para a Bélgica, sob mandados de captura de autoridades europeias.

Em 21 de dezembro de 2017, nas eleições regionais, Puigdemont foi reeleito para o parlamento catalão, mas foi impedido de tomar posse, mantendo o seu exílio na Bélgica, tendo vindo a ser detido numa autoestrada alemã e depois libertado sob fiança.

Em julho de 2018, o Supremo Tribunal suspendeu Puigdemont do cargo de deputado no Parlamento Catalão.

Em março deste ano, Puigdemont anunciou que iria candidatar-se ao Parlamento Europeu, como cabeça de lista pelo Juntos Por Catalunha, acompanhado dos seus antigos colaboradores Antoni Comín e Clara Ponsati.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)