O primeiro-ministro, António Costa, vai responder a 65 perguntas sobre o caso do furto de Tancos, enviadas pelo CDS, PSD e Bloco de Esquerda, no âmbito da comissão parlamentar de inquérito.

O CDS, partido que propôs a comissão de inquérito, apresentou 38 perguntas, o PSD 25 e o BE apenas duas. O prazo para a entrega das perguntas terminou às 18h00, tendo PS e PCP optado por não enviar questões.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/apreensoes-de-armas/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”346″ slug=”apreensoes-de-armas” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/apreensoes-de-armas/thumbnail?version=1554304230981&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

Depois da receção das perguntas, António Costa tem dez dias para responder. O primeiro-ministro tem, legalmente, a prerrogativa de responder por escrito às comissões parlamentares de inquérito.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O furto de material de guerra foi divulgado pelo Exército em 29 de junho de 2017. Quatro meses depois, a PJM revelou o aparecimento do material furtado, na região da Chamusca, a 20 quilómetros de Tancos, em colaboração de elementos do núcleo de investigação criminal da GNR de Loulé.

Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e uma grande quantidade de munições.