Rádio Observador

Saúde

Marta Temido, a ministra “esquerdista”: “Quando estou muito irritada, costumo ouvir o hino da CGTP”

4.696

Independente, está "numa linha mais à esquerda" do governo — diz que não se ofende com o rótulo "esquerdista" e que o hino da CGTP a acalma, em entrevista ao JN. Mas na lei de bases, visa BE e PCP.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marta Temido é “pequena, muito viva, enérgica”, tem “45 anos — é difícil acreditar” e mostra-se “risonha, enérgica, disponível”. É assim que a ministra da Saúde é apresentada pelo Jornal de Notícias. Numa longa entrevista publicada na edição impressa deste domingo (da qual é possível encontrar um excerto aqui), Marta Temido fala sobretudo sobre a proposta do Governo para a lei de bases da saúde mas não foge a perguntas pessoais.

A sucessora de Adalberto Campos Fernandes como ministra da Saúde, que entrou em funções no governo de António Costa em outubro e que tem tido um braço de ferro com a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, (que já pediu quase explicitamente a sua demissão), acredita que é “afável, empática” e diz que gosta “das pessoas”. Mas avisa que “não suporta” que lhe “pisem os calos”.

Quanto às suas inclinações políticas, Marta Temido, que Costa recrutou como independente, assume que está “numa linha mais à esquerda — aliás, esquerdista é subtítulo que não me ofende“. Tanto assim é que, quando lhe chega a mostarda ao nariz, tem uma preferência musical inusitada:

Quando estou muito irritada, costumo ouvir o hino da CGTP-IN (Internacional Socialista). Cá está, esta é daquelas que não devia dizer, mas é a verdade”, apontou na entrevista.

O site da CGTP disponibiliza nesta ligação os hinos que são reconhecidos pela intersindical, desde o hino nacional, o hino da CGTP e a Internacional Socialista (que o JN clarifica, na entrevista, como o hino que a ministra gosta de ouvir).

Sensível, a ministra da Saúde admite que chora com acusações como a de ter “limpado” doentes das listas de espera para consultas ou cirurgias com o intuito de “mascarar números”, quando era presidente da Administração Central do Sistema de Saúde — uma acusação feita num relatório de um grupo técnico independente criado pelo próprio Governo. Mas “depois passa”.

Politicamente, a entrevista a Marta Temido centra-se na recente divisão na “geringonça” sobre as propostas do Governo para a Lei de Bases da Saúde. A ministra diz que “há muito mais identificação do que divergência” e que “a preferência” do Governo também é que “a gestão dos hospitais seja pública. O que não sei é quando lá conseguiremos chegar”.

Avisa, porém, que “uma Lei de Bases tem de permitir alguma amplitude governativa, independentemente de ser veemente quanto aos princípios” e garante não ter “enviado nenhuma proposta ao BE”, tendo havido apenas “troca de documentos” que depois foram tornados públicos. “Não voltarei a cometer certas ingenuidades. Olhe, serviu-me de aprendizagem. Não faças as redações tentativas…”

Marta Temido descarta, ainda, acabar com as parcerias público-privado (PPP) “por decreto e sem acautelar que são internalizadas pelo menos com igual qualidade à que neste momento é prestada”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)